Centro de Convívio cria “bem-estar” em S. Pedro Fins

Um espaço para “combater a solidão que ainda assola parte da nossa população”, para proporcionar “alegria” e “bem-estar”. Assim descreveram algumas cidadãs os sentimentos associados à inauguração do Centro de Convívio de S. Pedro Fins, num poema intitulado “Agradecimento”, lido no arranque da cerimónia do passado sábado. Já depois do momento litúrgico, a cargo do Diácono Jorge, em representação do Padre Aurélio.

 

Tudo isto decorreu no edifício que serviu de sede da Junta de Freguesia de S. Pedro Fins durante 55 anos. Deixou de o ser há cerca de quatro anos, quando da inauguração do Centro Cívico de S. Pedro Fins, altura em que o presidente, Joaquim Marques Gonçalves, anunciou a intenção de reconverter o velho edifício. De plano passou a realidade, graças à aprovação de uma candidatura que garantiu a comparticipação da obra em 25 por cento, no âmbito do Plano de Investimentos e Despesas de Desenvolvimento da Administração Central (PIDDAC). Seguiu-se a tarefa de sensibilizar a Câmara da Maia “para a importância estratégica deste equipamento”, recordou o autarca de S. Pedro Fins, garantindo no acordo celebrado mais 60 por cento do valor orçamentado, cabendo à junta financiar a intervenção em 15 por cento. A obra, que se prolongou por pouco mais de um ano, custou cerca de 250 mil euros. E “é mais um passo dos muitos que, felizmente, S. Pedro Fins tem dado”, considerou o presidente da Assembleia Municipal da Maia, Luciano da Silva Gomes.

Para melhorar ainda mais a resposta que este Centro de Convívio de S. Pedro Fins pode dar à população, o presidente da junta de freguesia pediu “ajuda” à Câmara da Maia para a aquisição de uma carrinha que assegure o transporte.

E porque foram muitos os populares que se reuniram para a inauguração do Centro de Convívio de S. Pedro Fins, Marques Gonçalves deu como exemplos do “engrandecimento da freguesia e melhoria das respostas sociais” os serviços prestados pelo Gabinete de Psicologia e Acção Social da junta, pelo GAIL – Gabinete de Apoio Integrado Local e ainda através dos rastreios gratuitos promovidos na freguesia.

No rol de investimentos feitos, ou em curso, são exemplos a definição da nova matriz viária, o empreendimento de habitação social das Cardosas, o novo campo de jogos relvado, o Parque Infantil de Arcos, acabado de inaugurar, na Rua Eng. Luís de Almeida e ainda a construção do Centro Escolar de Arcos. O presidente da Câmara da Maia sublinhou o investimento na ordem dos 500 mil euros (no âmbito do Quadro de Referência Estratégico Nacional) para a criação de novas salas de aula. A obra está já adjudicada e contratualizada, prevendo-se que os trabalhos arranquem no final de Setembro ou início de Outubro. E recordou o pedido da Junta de Freguesia de S. Pedro Fins para a requalificação do Monte de S. Miguel-o-Anjo, como sendo um dos “grandes objectivos” para o próximo mandato, se for eleito a 11 de Outubro.

A pensar no futuro, Marques Gonçalves anunciou estar já a planear com os presidente e vice-presidentes da autarquia, Bragança Fernandes e António da Silva Tiago, o destino a dar às propriedades denominadas “Casa do Bispo” (de D. José Alves Correia da Silva), adquiridas pela câmara municipal por 250 mil euros. Acrescentou o presidente da autarquia maiata que estão a ser encetados esforços “para, mais uma vez, se substituir ao Estado”. A intenção é requalificar o espaço e cedê-lo ao Ministério da Saúde para ali construir uma unidade de saúde que sirva S. Pedro Fins, mas também as freguesias de Folgosa e Silva Escura, porque “estes moradores merecem bem”. “Espero, mais uma vez, que o Estado aceite a nossa proposta”, concluiu Bragança Fernandes.

Marta Costa