Opinião Victor Dias: Um homem solidário, de causas e compromissos – é o candidato natural…

O Partido Social-democrata da Maia vai a votos para eleger a sua Comissão Política Concelhia (CPC) e, pelo menos que se saiba, até agora não há mais ninguém na corrida eleitoral para além do seu actual líder que se recandidata ao cargo de Presidente da CPC.
Como Democrata tenho pena que não apareçam outras propostas, outras ideias e outros projectos políticos que, a meu ver, enriqueceriam o debate e dariam aos militantes uma possibilidade de escolha, mas enfim, os tempos são difíceis e falta vontade, disponibilidade e coragem para arrostar com causas públicas que dão trabalho, exigem muito empenho, esforço pessoal e, não raras vezes, até sacrifícios da própria família.
Numa conjuntura de profunda crise política, económica, financeira e, mormente, social, as estruturas políticas locais são chamadas a exercer um papel fundamental ao nível da defesa da coesão e Paz social, enquanto valores essenciais que suportam o próprio regime democrático.

O PSD da Maia tem na pessoa do seu actual líder e agora recandidato, Eng.º Bragança Fernandes, um dirigente que é em si mesmo um factor de estabilidade e confiança.
No quadro político actual, quando comparado com o panorama que temos diante de nós a nível nacional, todas as suas qualidades pessoais se agigantam e fazem dele, cada vez mais, uma personalidade única.
Recordo por exemplo o facto dele ter feito centenas de quilómetros, interrompendo o seu merecido convívio familiar, para estar com os Pequenos Cantores da Maia, com as suas famílias e o público, no Dia de Ano Novo, num evento que marcou o início das comemorações dos 20 anos do Coral.

Também não esqueço que fez questão de dar o seu apoio pessoal, a uma luta justa e absolutamente necessária, pela sobrevivência do nosso Conservatório de Música que está ameaçado de inviabilização económico-financeira, devido a uma decisão política arbitrária, irresponsável e de consequências catastróficas, tomada pela Direcção Regional de Educação do Norte, obviamente, sob a orientação directa da Ministra da Educação que mandou “rasgar” um contrato celebrado entre as partes, com direitos e obrigações recíprocas, claras e inequívocas que o Conservatório estava a cumprir.
Testemunhei pessoalmente os comentários elogiosos de muitos administradores e directores de escolas, academias e Conservatórios de Música que estiveram presentes numa reunião ocorrida no Fórum da Maia, pessoas a quem o Eng.º Bragança Fernandes expressou o seu apoio pessoal e institucional, quer com a sua presença, como com as suas palavras encorajadoras, afirmando a sua solidariedade por uma luta justa e necessária.

Embora pense que seria bom que o processo fosse mais disputado e refutando liminarmente que venham pessoas que não pertencem à nossa secção concelhia, interferir e querer condicionar os militantes com as suas tentativas de arregimentação, insultuosas da nossa inteligência, capacidade e independência para decidir e fazermos as nossas escolhas, asseguro-vos que estou tranquilo e encaro o futuro do PSD da Maia, com confiança e serenidade, assim pudesse dizer o mesmo do PSD nacional.
Neste tempo de emergência social, de vacas magras e de carências várias, estou cada vez mais convencido que o Eng. Bragança Fernandes é a pessoa certa, na hora certa para o lugar certo. O seu jeito afável, solidário, conciliador e congregador, conferem-lhe um carisma natural, actualmente invulgar e precioso.
Eu já decidi e vou votar com convicção de quem acredita num homem de causas, de compromissos e com elevado sentido do dever de servir, e faço-o porque sinto que é uma obrigação mas também uma necessidade.