Jovens atletas aperfeiçoam competências no centro de treino do Handball Project

Termina sexta-feira o Centro de Treino de Especialização, integrado na segunda edição do Handball Project, que arrancou no passado domingo. Uma iniciativa que tem como parceiros a Câmara Municipal da Maia, Federação Portuguesa de Andebol e ISMAI.

O centro de treino está vocacionado para atletas de andebol, que ao longo de uma semana têm a possibilidade de evoluírem em termos competitivos e de contactar com alguns dos melhores treinadores nacionais e internacionais (Holanda e Espanha). Uma semana de trabalho intenso, com treinos no ginásio, testes físicos, visualização de vídeos de jogo, acompanhamento por nutricionistas e também algum lazer. Fundamentalmente, o objectivo deste centro de treino é fomentar “hábitos e ritmos do que é o treino da competição, porque muitos deles o que pretendem é serem atletas de andebol no futuro, e têm aqui uma uma grande oportunidade de melhorarem as suas capacidades”, explica o treinador Paulo Sá, um dos responsáveis pela organização do Handball Project 2011.

Este ano, inscreveram-se 42 jovens nascidos entre 1993 e 1998, que vieram de vários pontos do país e até das ilhas. No ano passado, na primeira edição, participaram apenas 17 jovens. O “êxito” do primeiro centro de treino e o “passa-palavra” acabaram por contribuir para um aumento do número de inscrições, o que deixa “satisfeitos” os responsáveis do Handball Project. Este é um projecto “pioneiro” em Portugal, e que já está a despertar o interesse de outros países. Nomeadamente, “de Espanha, Brasil e países árabes. Eventualmente, no futuro, isto pode ter uma projecção fantástica da região da Maia, a nível internacional”, salienta Paulo Sá.

Não se trata de mais um “campo de férias”, mas sim de um centro de treino a sério, onde os jovens “vêm para trabalhar” a sua performance desportiva ao nível do andebol. Os jovens ficaram alojados na Estalagem da Via Norte e as actividades dividiram-se pelos pavilhões de S. Pedro Fins e do ISMAI.

Amanhã, quarta, o andebol vai para a rua (Urban Handball), mais propriamente para a Praça do Município, onde a população teve a oportunidade de contactar com a modalidade e até de jogar. No final, houve ainda tempo para um jogo de demonstração entre a equipa sénior do Maia/ISMAI que subiu à 1ª divisão nacional e um grupo de amigos de Carlos Resende, ex-atleta de andebol e actual treinador do ABC de Braga. “É uma forma de mostrar às pessoas que os melhores do andebol nacional também jogam na rua e que se pode transportar este jogo para outros espaços durante o Verão”, diz o treinador.

O Handball Project 2011 chega ao fim no domingo, com um congresso internacional de treinadores, no auditório do ISMAI. E é neste congresso que vai ser homenageada uma figura do andebol nacional, o professor Ângelo Pintado, “que foi treinador da selecção nacional, do Benfica e do Sporting, mas que iniciou a sua vida desportiva no Norte, como atleta de andebol do FC do Porto, onde foi internacional, e no atletismo pelo Académico FC, onde foi internacional em 400 e 800 metros”, destaca Paulo Sá. “É o momento de homenagear alguém que teve uma carreira desportiva fantástica, que já está na sua idade da reforma. Há que homenagear estas pessoas enquanto estão connosco. É nestes momentos que temos de retribuir tudo aquilo que nos deram”, finaliza.

Fernanda Alves