Maia: Um programa

Estátua do Lidador, Maia

1.- Francisco Vieira de Carvalho será um bom candidato, pelas ideias inovadoras que trará à pesada herança herdada. Mas será bom, creio, contribuir, publicamente, para o seu programa eleitoral, dado que os atuais poderes já não aceitam quaisquer contributos, ou se aceitam são para colocar em gavetas fechadas. Ideias são ideias, e venham de onde vierem são para adicionar ao grande leque de participação que qualquer candidato quer ter, exceto aqueles que, pensam, as suas ideias são maravilhosamente concebidas e eternas. Ora não é isso que se passa, por que as ideias de hoje não são as de ontem, mas o trabalho fecundo que a história nos fornece para um hoje preponderante a um futuro sustentável. Por muito infelizes que sejam as ideias elas podem gerar outras ideias mais felizes, assim todas têm lugar no arquétipo maiêutico que se pretende forjar. Creio que Francisco Vieira de Carvalho não se furtará à análise serena do que lhe chega, sejam em privado, seja público, por que aberto a todos os contributos que sem qualquer intenção, que não seja o bem comum, lhe dirijam.

2.- Devo, contudo, dizer que ajudei a excelente diretora da Qualidade da Câmara Municipal da Maia a implementar o sistema e há cerca de dois anos o auditava – sem receber qualquer pagamento, diga-se -, e que dado incidente com um vereador não mais auditei. Diga-se, também, que tudo o que auditei nunca passará para o público, nem privado, por que é assim a ética dos auditores. A Câmara Municipal da Maia é certificada pela norma ISO 9001 que respeita à Gestão da Qualidade e uma pequeníssima parte pela norma ISO 14001, no que respeita à Gestão Ambiental, não conhecendo que se tenha prosseguido outro caminho. Então aqui vai a primeira ideia: em vez do Relatório de Atividades e Contas, elaborar o Relatório de Sustentabilidade em 2019, relativo a 2018 e de acordo com a normalização GRI, a funcionar no ano de 2018. Permitiria isso dar a todas as partes interessadas as informações necessárias – de acordo com normalização internacional -, para que se possam informar sobre a Sustentabilidade da Maia.

3.- Em paralelo e durante 2018/2019 proceder à certificação da CMMaia pelas normas ISO 14001 (ambiental), ISO 45001 (segurança e saúde), nessa altura já aprovada. Seriam dois anos para tal, enquanto isso certificar a CMMaia de acordo com a norma NP 4427 (recursos humanos) durante o ano de 2018. Estariam assim criadas as condições para entre os anos 2019/2020 proceder com empenho em direção à Excelência de acordo com a diretiva internacional EFQM e sustentar o Desenvolvimento Sustentável, seguindo normas como a ISO 9004 (sucesso sustentado), ISO 26000 (responsabilidade social) e ISO 31000 (avaliação de riscos). Surgiriam todas as condições para o avanço da gestão em outras mais específicas como a ISO 50001 (gestão da energia), para um segundo mandato de Francisco Vieira de Carvalho. Uma gestão mais próxima dos acionistas e clientes que são os cidadãos maiatos. Assim se constrói um concelho sustentável, com pessoas felizes.

Joaquim Armindo

Doutorando em Ecologia e Saúde Ambiental