,

Atendimento vai duplicar no Centro de Dia de S. Pedro Fins

A freguesia de S. Pedro Fins vai ampliar o apoio a idosos para o dobro das capacidades atuais do Centro de Convívio. A parte nova da casa deve estar pronta no próximo verão.

O executivo de S. Pedro Fins está perto de concluir uma obra de grande envergadura, a ampliação do Centro de Convívio, propriedade da Junta de Freguesia, cujo investimento ascende a 140 mil euros.

A obra é comparticipada pela Câmara da Maia em 60% (cerca de 80 mil euros), sendo o resto da verba assumida pela Junta de Freguesia, que não conseguiu fundos europeus para juntar ao empreendimento. Este começou a ser construído em novembro de 2015 e prevê-se que fique concluído em julho.

Assim, de um Centro de Convívio que alberga 30 utentes diariamente e dá apoio domiciliário a quase duas dezenas, a freguesia passará a ampliar o seu atendimento para o dobro. “Mesmo assim não conseguiremos dar resposta à lista de espera que temos de 50 pessoas”, refere o presidente da Junta, Alvarinho Sampaio, “o certo é que ficaremos com um serviço muito melhor”.

Novos e maiores espaços

O novo piso principal terá cerca de 300 metros quadrados e irá albergar uma nova cozinha, uma área de convívio e ainda um novo gabinete de enfermagem. Além disso, contou Alvarinho Sampaio, “já numa fase adiantada do projeto, percebemos que, por um quantia não muito elevada, poderíamos aproveitar um piso inferior e avançamos com a ideia”. Será criada uma nova sala polivalente de 100 metros quadrados, que possibilitará o funcionamento de diversas atividades, quer da Junta e do Centro de Dia, quer de outras entidades ou coletividades externas. Neste espaço, “podemos ter a funcionar desde dança a kickboxing”, referiu o autarca.

O centro de enfermagem, para além do serviço que presta aos utentes, estará aberto a toda a população. “Está certificado pelos serviços de Saúde. Também com uma enfermeira permanente é prestado serviço exterior no apoio domiciliário, nesta área de S. Pedro Fins e de Folgosa. O gabinete de enfermagem faz análises com a respetiva recolha de amostras e curativos diversos”, explicou Alvarinho Sampaio, que acrescenta que a Junta de Freguesia não olha à origem do utente e aceita idosos vindos de freguesias e concelhos vizinhos. Atualmente é frequentado por utentes de Águas Santas, Nogueira, Silva Escura, Folgosa, Maia, Santo Tirso, Alfena, Trofa, S. Mamede e S. Romão do Coronado, Ermesinde, além de S. Pedro Fins.


Companhia e agenda de atividades ao dispor dos idosos

Os utilizadores deste centro chegam pelas 8h30/9h00, passam o dia, com direito a almoço e lanches, regressando a casa pelas 17h30/18h00, transportados pelo autocarro da Junta, com exceção de alguns, que são conduzidos pelos familiares. Os idosos também têm uma agenda regular de atividades lúdicas, tendo em conta que quem procura o Centro de Dia não são apenas pessoas com problemas de saúde, mas, acima de tudo, quem se sente sozinho em casa.

O Centro de Convívio não esquece os que precisam de ir ao médico e tem ainda o serviço de acompanhamento a consultas, sejam ou não utentes habituais.

Serão criados novos postos de trabalho

No centro trabalham oito funcionários. Com a ampliação do edifício e dos serviços, o “grupo de trabalho deverá ser aumentado em nunca menos de quatro pessoas”, referiu o autarca, que sublinhou: “temos uma excelente equipa liderada pela Raquel Freitas, uma pessoa que sabe liderar mantendo a fasquia de qualidade e de humanização no tratamento aos idosos. Temos tido testemunhos de filhos e de esposas, que ficam muito satisfeitos com o tratamento que é dado aos familiares, o que nos deixa orgulhosos”.

O objetivo não é ter lucro, a Junta de Freguesia apenas “pretende que o Centro de Dia consiga ser auto-suficiente, porque “primeiro as pessoas, como já dizia o presidente Bragança Fernandes no seu slogan. Penso que temos honrado esse lema”, afirmou Alvarinho Sampaio.

O autarca lembrou ainda que o Centro de Convívio conta ainda com o grupo de voluntários do projeto JuntAmigo, composto por outros idosos autónomos, que se dedicam a ações culturais e de apoio quer ao Centro quer a várias coletividades da freguesia.

Angélica Santos