,

Inglês precoce e Secundário em Pedrouços anunciados para o próximo ano letivo na Maia

Emília Santos, vereadora da Educação da Maia_foto DR

O ensino generalizado do inglês no 1º e 2º ano do 1º ciclo do ensino básico e a implementação do ensino secundário regular no Agrupamento de Escolas de Pedrouços são duas das várias novidades transmitidas pela vereadora da Educação, Emília Santos, no último Conselho Municipal de Educação, que se realizou nos Paços do Concelho, no dia 9. Nesta sessão também foi anunciada a criação da Unidade de apoio ao Alto Rendimento no Castelo da Maia.

Uma a duas turmas do Secundário em Pedrouços

Até aqui em Pedrouços apenas se lecionava o secundário na vertente do ensino profissional, mas a partir do próximo ano letivo já irão funcionar uma a duas turmas, “dependendo do número de inscrições”.

Emília Santos recorda que esta medida resulta também da pressão que este Conselho Municipal de Educação (CME) efetuou junto do Ministério da Educação.

O “CME enviou uma missiva ao Ministério da Educação porque em Pedrouços havia a necessidade de dar continuidade a alunos que procuravam o secundário regular. O certo é que conseguimos, está aprovado o ensino secundário para Pedrouços e será uma mais valia para todos”.

A vereadora da Educação da Câmara da Maia sublinhou, em entrevista ao jornal Maia Primeira Mão, que “a Secundária de Águas Santas está completamente lotada e precisa de um apoio de uma escola parceira vizinha, pelo que irá ter muito sucesso esta conquista em que se envolveu toda a comunidade”.

De acordo com Emília Santos foi notável a junção de esforços desde a “escola, a Associação de Pais, a Junta e Assembleia de Freguesia, a Câmara Municipal” no sentido de “aquela escola ter ensino secundário e, de facto, foi uma vitória”.

Projeto PEPA para inglês no 1º e 2º anos do ensino básico

Outro novo projeto anunciado para o ano letivo 2019/20 foi o ensino do inglês precoce nas escolas básicas da Maia, o projeto PEPA (Primary English Practice Programme).

As crianças da Maia vão ter o inglês precoce, ou seja, o ensino da língua inglesa no 1º e 2º anos do 1º ciclo do ensino básico, de forma regular, algo que até agora o ensino público só estabelecia a partir do 3º ano.

O projeto complementa o que já se fazia na Maia no que respeita ao ensino desta língua estrangeira, que é ensinada às crianças no pré-escolar do concelho. Até agora, o ensino era interrompido na escola pública quando os alunos ingressavam no 1º ano, só voltando a ter inglês no 3º ano.

O projeto foi desenvolvido em parceria com a Escola Superior de Educação (ESE), que desenhou o programa e vai fazer a sua monitorização e tratar da formação dos educadores.

A Câmara da Maia é mediadora nesta ideia, custeando o projeto e aplicando, em parceria com a ESE, esta medida do ensino de inglês precoce.

Assim, no próximo ano letivo, as crianças da Maia aprendem “inglês a partir dos 3 anos, sendo que dos 3 aos 5 anos têm contacto com a língua inglesa, no 1º e 2º anos do 1º CEB têm inglês introdutório ou precoce e a partir do 3º ano entram no ensino do inglês curricular”, explicou Emília Santos.

“Este é um projeto inovador e mais uma aposta da autarquia da Maia, que tem a chancela do Ministério e onde a Câmara está como entidade facilitadora, suportando a despesa da conceção, formação e monitorização de professores”, referiu a vereadora.

Unidade de apoio ao Alto Rendimento no Castelo da Maia

Há ainda a registar no próximo ano letivo uma nova unidade no Agrupamento de Escolas do Castelo da Maia, a Unidade de Apoio ao Alto Rendimento Escolar (UAARE).

“Somos uma cidade com muitos atletas de alta competição, alunos que precisam de uma ajuda especial, especialmente quando passam muito tempo no estrangeiro em provas e têm que estudar à distância. Esta unidade vem responder às necessidades destes atletas, de várias modalidades, como ginástica, ténis, entre muitas outras”, explicou Emília Santos.

É um novo espaço que vem contribuir para a qualidade do ensino e dar continuidade ao estatuto da Maia como Cidade do Desporto e que dá exemplos de pioneirismo na inovação na área educativa, referiu a vereadora.

Angélica Santos