,

Maia regista aumento de residentes estrangeiros nos últimos 10 anos sendo o 3º município da AMP

Tal como no país, na Maia regista-se um aumento de pedidos de residência permanente de estrangeiros. A maioria são brasileiros.

A imigração tem vindo a aumentar em Portugal, o que colabora para a redução do saldo migratório do país. A imigração permanente em Portugal aumentou no ano passado, segundo o Instituto Nacional de Estatística (INE), que diz que foram registados 43.170 imigrantes, enquanto a emigração permanente baixou para 31.600 pessoas.

Os últimos 10 anos na Maia também são de crescimento de estrangeiros permanentes, isto é, com estatuto legal de residente no concelho. Em 2018 atingiu-se os 2341 imigrantes, contra os 2175 registados em 2008. São dados apurados pelo INE e divulgados também pela PORDATA.
De registar que na Área Metropolitana do Porto, o crescimento também foi notório, na globalidade, de 34.142 imigrantes enquanto em 2008 eram 27.936.

Os municípios onde se registam mais residentes estrangeiros permanentes são o Porto (11.634 em 2018), Matosinhos (3.743) e Maia (2341).
Os imigrantes em maior número a residirem na Maia são oriundos do Brasil (1.117 cidadãos em 2018), logo seguido da Ucrânia (243 cidadãos em 2018). Residem no concelho também alguns africanos e cidadãos de diversos países europeus. Na maioria são mulheres a grande componente de estrangeiros residentes (1299 mulheres versus 1042 homens).

Os fatores fundamentais para a escolha da Maia pelos imigrantes serão a qualidade de vida e a baixa taxa de desemprego.

No concelho da Maia têm aumentado o número de pedidos de residência por estrangeiros. Um fenómeno que se regista a nível nacional, com números recorde em todo o país. Diariamente estão a ser atendidos pelo SEF (Serviço de Estrangeiros e Fronteiras) perto de dois mil estrangeiros. Em relação às renovações de autorização de residências, verificou-se um aumento de 16%, para 53900.

No primeiro semestre de 2019 foram atendidos 155 mil estrangeiros em Portugal, o que corresponde a um acréscimo de 24% face ao semestre homólogo de 2018.
Em 2018, as nacionalidades que mais pediram residência no nosso país foram Brasil, Cabo Verde e Roménia.