Festas de Gueifães já arrancaram e são as primeiras

1
344

O calendário não engana. As festas em honra de Nossa Senhora da Saúde, em Gueifães, são as primeiras grandes festividades do concelho na Maia, distantes no tempo das festas que se vão multiplicar quando o sol já estiver a “fazer das suas”, no pico do Verão. Tal como em outros festejos, o início das festas é marcado pela inauguração da iluminação nas artérias percorridas pela festa. Em Gueifães, a inauguração foi ontem, e deu-se assim o pontapé de saída para as festividades que encerram na próxima segunda-feira, quando for lançado o fogo-de-artifício junto ao monumento das bandas.

As festas em honra de Nossa Senhora da Saúde são preparadas com quase um ano de antecedência. Alcino Oliveira é o homem por trás de toda a logística da festividade e revela que “é preciso trabalhar um ano inteiro” para que tudo esteja pronto a tempo e horas. Uma das “dores” de Alcino Oliveira e da comissão de festas em honra de Nossa Senhora da Saúde é a pouca receptividade por parte da população em ajudar a montar os festejos da freguesia.A pouca colaboração da população pode significar apertos financeiros, colocando mesmo em causa as festividades.

E porque os responsáveis não querem deixar as Festas de Gueifães morrer, toda a ajuda é necessária, sob pena de “a festa morrer”, alerta Alcino Oliveira. “Há festas que eram de cinco a seis dias e agora não passam de três”, desabafa o organizador. Para já, não é o caso de Gueifães. E as festas estão de boa saúde. Pelo menos é o que acha Alcino Oliveira, que chega mesmo a dizer que “por vezes, as festividades em Gueifães ensombram outras que supostamente são maiores, como as festas em honra de Nossa Senhora do Bom Despacho, na Maia”. Na origem desta “superioridade” pode estar a data da festividade, que se antecipa a muitas festividades que acontecem ao longo do concelho. De acordo com o responsável pelo programa de festas, “é muito difícil trazer artistas de cartaz a actuar nesta altura do ano, já que as festas ainda não começaram em peso e muitos ainda não estão disponíveis para actuar”, lembra o responsável, que sublinha ainda o “bom nível” do cartaz das festividades de 2010, que considera ser “um dos melhores de sempre”. Mesmo em alturas de crise, foi possível construir um bom cartaz, ao contrário de anos anteriores, “onde só tínhamos uns grupos e… vá lá, uns artistas de meia craveira, se é que assim se podem chamar”, acrescenta Alcino Oliveira.

Além das “cantorias”, as restantes actividades também primam, de acordo com Alcino Oliveira, pela originalidade. Para amanhã está marcada uma entrada do grupo de concertinas de Monte Córdoba, que vai percorrer as várias artérias da freguesia em charretes puxadas por cavalos. “É algo que nunca foi feito no concelho da Maia”, diz Alcino Oliveir0a. As expectativas para este evento estão altas, e este responsável garante que “vai ser um sucesso”. Inimigo desse sucesso pode ser a meteorologia, que está a querer ameaçar a “saúde” das festividades que tanto trabalho deram a preparar.

Programa

Sexta, 16 de Abril

21h00 – Inauguração da exposição no Salão Paroquial: ExpoGueifães 2010

22h00 – Actuação de José Malhoa (junto ao monumento das bandas)

Sábado, 17 de Abril

9h00 – Entrada do grupo de concertinas de Monte Córdova e Amigos (Santo Tirso)

14h30 – Entrada do agrupamento musical Juventude em Força (São Mamede do Coronado)

15h00 – Entrada junto do Lar de Santo António de vários ranchos folclóricos

15h30 – Início do Festival de Folclore no Terreiro

19h00 – Celebração da eucaristia

21h00 – Actuação do Agrupamento Diapasão (junto ao monumento das bandas)

23h30 – Sessão de fogo-de-artifício

Domingo, 18 de Abril

7h00 – Celebração da Eucaristia

8h00 – Entrada de bandas de música (Banda Marcial de Gueifães e Associação Cultural do Couto Mineiros do Pejão

9h00 – Celebração da Eucaristia

9h00 – Início da actuação das bandas de música

9h00 – Entrada da fanfarra de Cabanas do Monte Córdova (Santo Tirso)

11h00 – Missa Solene em honra de Nossa Senhora da Saúde, seguida de procissão

15h30 – Início dos concertos das bandas de música

19h00 – Celebração da Eucaristia

21h30 – Actuação da cantora Maria do Sameiro

Segunda-feira, 19 de Abril

10h00 – Celebração da Eucaristia

19h00 – Celebração da Eucaristia

21h30 – Actuação do Grupo Amigos do Ambiente (no Terreiro)

23h30 – Sessão de fogo-de-artifício de encerramento das festividades

1 COMENTÁRIO

  1. Gostaria de começar por felicitar o “Primeira Mão” pelo destaque que deu na ultima edição às Festividades em honra de Nossa Senhora da Saúde em Gueifães, contribuindo assim na divulgação da tradição secular existente nesta freguesia do concelho da Maia.

    Por motivos especiais logo identifiquei as belas imagens do ano 2004/2005 que ilustram a V/reportagem.

    No entanto, não posso deixar de lamentar o texto que acompanha as imagens pelo que de injusto é para os Gueifanenses em geral e em particular para várias as Comissões de Festas existentes em Gueifães.

    A realização logística das festividades compete em cada dois anos a uma Comissão organizada por “lugares” que tradicionalmente dividem a paróquia: Enxinhães, Subidouro, Srª. Saúde, Gueimaia, Mogos, e Mouta, havendo portanto uma rotatividade bienal nas pessoas que se ocupam da organização da Festa em Honra Nossa Srª. Saúde.

    Como é evidente e todos o sabem, este é um trabalho árduo que exige disponibilidade e tolerância e quem o aceita tem de estar preparado para aceitar as várias realidades existentes, quer religiosas, culturais e até mesmo financeiras da população.

    Isto é válido para qualquer localidade do País e sem duvida que todos os Gueifanenses tem orgulho nas suas Festas, agora não podemos esquecer que hoje Gueifães serve de dormitório, e muita da sua população vem de outras localidades e como é obvio não se convive com a Festa com a mesma intensidade de outros tempos.

    No entanto o saldo é sempre positivo, pelo que não pode haver qualquer tipo de desmotivação para o trabalho que é necessário efectuar anualmente e há que cativar a população mais nova para participar activamente neste tipo de eventos, pois aí sim, podemos ter falta de capital humano para a realização das Festividades.

    Relativamente ao cartaz das Festas evidentemente que é salutar haver alguma rivalidade entre Comissões, no entanto a humildade na procura de fazer cada vez melhor dever prevalecer à vaidade com que se menospreza o trabalho dos anteriores colegas e o desprimor com que trata os artistas que sendo uns mais anónimos que outros não deixam todos de dar sempre o seu melhor.

    Não podemos esquecer o principal objectivo destas Festividades: Honrar a Nossa Senhora da Saúde.

Comments are closed.