“A Imprensa Clandestina” como memória de tempos obscuros no Fórum da Maia

0
262
imagem CMM
- Publicidade -

A manifestação realizada em 1944, na Maia, contra a saída de bens alimentares para a Alemanha Nazi, é um dos factos que está presente na mostra “A Imprensa Clandestina”, no Fórum da Maia.

Foi há apenas 47 anos que se deu a revolução do 25 de abril, conhecida como uma cortina de liberdade e o salto para a Democracia em Portugal. Mas nem todos se recordam de factos da vida quotidiana dos chamados tempos da clandestinidade, até porque não os viveram. A exposição “A Imprensa Clandestina” será uma janela aberta para essa época e estará patente no Fórum da Maia, de 27 de maio a 16 de junho.

Por ocasião do centenário do Partido Comunista Português, a Câmara Municipal da Maia e a Direção da Organização Regional do Porto do PCP promovem, entre 27 de maio e 16 de junho, uma exposição sobre imprensa clandestina, destacando a sua importância, mas também o heroísmo de todos os que a produziam e difundiam, enfrentando a ditadura fascista e as prisões.

Em 1926, um golpe militar abriu portas a um processo que viria a instaurar uma ditadura em Portugal. O processo foi acompanhado da fascização do Estado e com ela surgiram as perseguições, prisões arbitrárias, torturas e assassinatos, proibição de partidos políticos, proibição da liberdade de imprensa e imposição de censura prévia… tudo isto aliado à perpetuação de situações de miséria, fome e pobreza extrema.

A imprensa clandestina – particularmente o «Avante!» pela sua regularidade, ligação aos problemas e conhecimento da situação do país – era um informador que furava a censura, mas também um guia de ação, um orientador das massas com vista ao derrubamento do fascismo.

Dando expressão a uma grande – e pouco conhecida – diversidade de jornais clandestinos (alguns dos quais editados dentro das próprias prisões fascistas – a exposição incluirá documentos originais, dos arquivos regionais do PCP, alguns dos quais inéditos, e destacará igualmente situações relacionadas com a Maia, seja pela notícia do «Avante!» de 1944 em que a população da Maia se manifestou contra a saída de bens alimentares para a Alemanha Nazi, seja pela homenagem que faz aos vários maiatos presos, alguns dos quais pela difusão de imprensa clandestina.

A entrada é gratuita. Terça-feira a Domingo: 10h00 – 22h00.

- Publicidade -