Escola Príncipe da Beira ao serviço de Gueifães

1
787

Estão inauguradas as obras de beneficiação e ampliação da Escola “Príncipe da Beira”, em Gueifães. Depois de um longo período de espera, no passado sábado, o presidente da Junta de Freguesia de Gueifães, Alberto Monteiro, viu concretizado um sonho que o perseguia desde o seu primeiro mandato. Por isso, em dia de inauguração era “um homem feliz”.
Quando tomou posse pela primeira vez, conta o autarca, deparou-se com uma situação “caricata”, que era a junta de freguesia funcionar no edifício da escola. Na altura, nas instalações da junta estavam “os Vicentinos e a catequese”. Estava ainda uma sala de pré-primária a funcionar na igreja. “Isto estava totalmente trocado”. Na mesma altura, havia uma acção da DREN contra a junta por ocupação do edifício. “Tentamos resolver o problema e conseguimos com a Câmara da Maia e com a DREN. Fizemos algumas obras mas as coisas foram-se agravando e eu entendi que devíamos ocupar o nosso edifício e deixamos este para outras actividades”.

Mas como praticamente ninguém usava o edifício este deteriorou-se. Estava entregue à Direcção Geral do Património do Estado (DGPE). Alberto Monteiro foi a Lisboa a pedido do então autarca José Vieira de Carvalho solicitar a transferência do imóvel para o património municipal. “Para meu espanto 30 dias depois recebi uma notícia a dizer que não tinha aparecido nenhum dono do edifício. A partir daí, tratamos do protocolo para transferência o imóvel da DGPE para o município”, conta o autarca de Gueifães.

A escola foi inaugurada em 6 de Março de 1894 pelo Rei D. Carlos e pela Rainha D. Amélia e foi denominada Príncipe da Beira em honra do filho Primogénito do Rei. Com as obras pretendeu-se que o edifício retomasse a sua forma e organização inicial. No entanto, houve necessidade de o adaptar às suas novas funções e valências. A primeira sala funciona como“Foyer” e área polivalente para exposições, onde nesta altura se pode apreciar uma exposição da escola de outros tempos. As secretárias, os livros, as sebentas, os materiais pedagógicos, a régua e até as brincadeiras de outros tempos. Tudo bem distante das novas tecnologias usadas nos dias de hoje. O espaço tem ainda uma segunda sala que funciona como salão nobre, que acolheu a sessão solene de inauguração e que começou com a intervenção do Grupo Coral do Centro de estudos Musicais da Maia.

De acordo com o presidente da Câmara Municipal da Maia, Bragança Fernandes, a empreitada, que custou 400 mil euros, demorou mais tempo do que o previsto porque inicialmente não iam recuperar a parte de baixo. Por isso, tiveram que efectuar alterações ao projecto. “Mas agora está pronto e está aqui um belíssimo equipamento e é um dos edifícios mais belos do século passado que eu conheço na Maia”, afirmou.
Feitas as obras e inaugurada a requalificação e amplificação, o espaço passa agora a estar à disposição da população de Gueifães e eventos não vão faltar, garante o autarca local. “Nós temos a cripta da igreja sempre ocupada com actividades, mas realmente agora podemos fazê-las aqui e penso que vamos ter constantemente actividades neste espaço”.
Para já, está prevista uma palestra sobre tabagismo e um espectáculo de música clássica. Para que isso aconteça, falta apenas a Junta de Freguesia de Gueifães estabelecer um protocolo com o pelouro da Cultura da Câmara Municipal da Maia.

No final, o autarca não escondia a alegria de ver concretizada esta obra. “Ao longo destes anos temos cumprido, paulatinamente, aquilo a que nos propusemos para a população de Gueifães. Faltam-nos agora duas grandes obras, uma está a meio que é o cemitério novo, e a outra que é grande obra que é o edifício novo da sede da junta, cujo concurso público vai ser lançado brevemente”. O desejo de Alberto Monteiro é ver concluída a empreitada ainda no decorrer deste mandato que será o seu último.

Quanto ao Centro Cívico,Bragança Fernandes adianta que o projecto está a ser feito e que a sua edificação vai depender “do esforço financeiro”. Ou seja, se o Governo ajudar. “As câmaras estão numa crise muito grande, as finanças não abundam em parte nenhuma, portanto, qualquer investimento que seja feito, tem que ser feito com cabeça, tronco e membros porque nós queremos continuar a pagar bem, abaixo dos 60 dias, portanto, o edifício é para ser feito mas com tempo para que nós possamos cumprir com os nossos compromissos”.

Isabel Fernandes Moreira

1 COMENTÁRIO

  1. Porque não ficou este edifício para a Banda Marcial de Gueifães colectividade mais antiga do concelho que tem uma sede mais parecida com um barraco deplorável…..???? Vai ficar assim ás moscas que é melhor.

Comments are closed.