Festa da Música já começou

0
167


O Festival de Música da Maia, edição do ano 2010, abriu as suas portas com o concerto de Luís Represas. O espectáculo inaugural proporcionou ao público do festival, um programa com as melhores canções do músico cantor que, embora já tenha deixado para trás, há muito tempo, a fase dos Trovante, continua a ser, sem sombra de dúvida, o grande trovador da música portuguesa, quer pela beleza das suas criações melódicas, como pela dimensão poética do texto das suas canções que continuam a espelhar histórias de muitas vidas, das que efectivamente as viveram e das que ouvem as canções e nelas se revêem.

No dia seguinte ao concerto de Luís Represas, foi a vez da voz de um dos mais versáteis e inconfundíveis artistas da cena musical portuguesa, Nuno Guerreiro.

A alma da Ala dos Namorados veio à Maia para reafirmar categoricamente a sua classe, interpretando um vasto repertório, dividido entre grandes êxitos da Pop & Rock internacional, temas celebrizados por si na Ala e várias canções novas que hão-de integrar o seu novo álbum a solo.

Ambos os concertos tiveram lugar no auditório municipal Venepor, onde o Pelouro da Cultura da Câmara Municipal da Maia está a realizar o Festival, devido às obras de melhoramento do grande auditório do Fórum da Maia.

Registe-se que este facto tem permitido a criação de um ambiente fantástico, graças às excelentes condições acústicas de que se reveste aquela sala, especialmente, para este género musical.
Mário Nuno Neves, vereador do Pelouro da Cultura e presidente da Academia das Artes da Maia, empresa municipal que tem a seu cargo a produção de todo o Festival, afirmou a PRIMEIRA MÃO que “entre realizar o festival num auditório mais pequeno, mas que reúne boas condições para acolher concertos de qualidade, ou pura e simplesmente cancelar a edição de 2010, devido às obras que estão a decorrer no grande auditório do Fórum da Maia, optamos por não interromper a tradição e respeitar o público que, obviamente, já se habituou ao Maio, mês da Música, na Maia”.

Conforme se lê no texto assinado pelo vereador da Cultura, publicado na Newsletter do Festival, a diversidade e a qualidade são as apostas fortes deste certame, cuja tradição se cumpre, preservando o seu timbre de Festival abrangente, quanto a géneros, opções de gosto e públicos.