Festa do Novos Laços junta jovens e idosos

0
184

O inacabado salão de espectáculos da Associação “Os Vencedores de Sangemil”, em Águas Santas, recebeu na passada semana a festa de Natal do projecto Novos Laços da Câmara Municipal da Maia. A iniciativa contou com a participação dos jovens e idosos que frequentam o projecto, que tem instalações no piso superior do edifício da associação.

“São crianças carenciadas e idosos sem retaguarda familiar e, portanto, mais do que nunca nesta altura natalícia, é fundamental que possamos oferecer-lhes uma festinha para que possam ter um dia diferente”, sublinhou a coordenadora do Novos Laços, Teresa Frade. A festa de Natal contou com o apoio de várias entidades, o que permitiu a distribuição de várias prendas pelas crianças do projecto. A coordenadora destaca o apoio da Farmácia Sousa Torres que patrocinou o professor de Hip-Hop, “porque os miúdos andavam mortinhos por ter aulas de hip-hop”.

Estava ainda prevista uma peça de teatro pelos meninos do projecto, mas teve de ser retirada do programa, uma vez que o encenador não podia estar presente, e também devido ao atraso que a festa sofreu, consequência da inundação na cave do edifício. O salão também não oferecia as melhores condições climáticas para os idosos ali permanecerem durante muito tempo. Pequenos percalços, que no entanto, não impediram as crianças e idosos de se divertirem. “Para todos os efeitos, eles gostam do que estão a fazer. E acima de tudo, a alegria deles é suficiente para tudo correr bem”, sublinha.

E a propósito do Natal, Teresa Frade informou ainda que, este ano, o habitual jantar com os idosos irá realizar-se na próxima semana. “Estivemos a dar cabazes até sexta-feira. Toda a mão-de-obra foi pouca para podermos distribuir os cabazes antes do Natal”, explicou, justificando a não realização do habitual jantar de Natal dos idosos. O projecto optou por realizar um jantar de Ano Novo, na próxima semana. O Novos Laços apoia 62 crianças e 20 idosos que frequentam o Cantinho do Idoso.

Inundação na cave

Consequência do mau tempo que se fez sentir na madrugada de terça-feira, a água da chuva chegou à cave do edifício. É numa parte da cave que se encontram armazenados os alimentos que o projecto distribui mensalmente pelas famílias que apoia. No entanto, a inundação não provocou qualquer estrago nos bens armazenados, “a não ser o trabalho que tivemos”. Valeu o facto de os alimentos estarem em cima de paletes, o que acabou por facilitar a passagem da água. “Tivemos cá a protecção civil e os bombeiros de Pedrouços, mas adiantou pouco, porque isto é muito amplo e a água espalhou-se por todo o lado. Teve de ser à vassoura”, conta Teresa Frade. Uma das preocupações da coordenadora prendia-se com eventuais consequências na instalação eléctrica. “Houve aqui um curto-circuito. Não sei se a nível da electricidade nos danificou algum computador”, referiu.

FA