Macau – Uma História de Sucesso

0
132

“Capital Mundial do Jogo 2008”, “um museu ao ar livre”, “15 anos de escolaridade gratuita” e o “terceiro território mais rico da Ásia”. São denominadores comuns a “Uma História de Sucesso”. Falamos da história da Região Administrativa Especial de Macau, que este ano celebra o 10º aniversário.

Os festejos fazem-se também por cá, com as galerias do Fórum da Maia a acolherem a exposição até 13 de Julho.

A Maia é a segunda paragem desta mostra itinerante, que arrancou em Lisboa. Depois, parte para o Brasil, onde estará patente no Rio de Janeiro e em S. Paulo. Organizada pelo Instituto Internacional de Macau (IIM), a exposição é composta por “painéis muito bem preparados”, disse o presidente Jorge Rangel, marcados sobretudo pelas fotografias e muito pouco textos. São apenas dadas algumas indicações sobre o que é retratado. Em suma, retrata o desenvolvimento de Macau, das suas infra-estruturas, desporto, educação, economia e do turismo, considerada a actividade mais importante da região, simbolizada nesta exposição pelo jogo, “o que dá mais dinheiro a Macau”.

Entre os factores que distinguem Macau de outros destinos é o facto de oferecer, no mesmo território, um contraste entre o ocidente e o oriente. E “numa harmonia completa”. Sem esquecer a harmonia, também, entre a antiguidade e o que é moderno.

A exposição itinerante, a propósito dos dez anos da Região Administrativa Especial, visa divulgar, fora do território, o que é Macau desde que o poder de soberania foi transferido para a República Popular da China. Faz exactamente dez anos a 20 de Dezembro.

Mas o facto de passar por Portugal, salientou o presidente do IIM, tem ainda como intuito mostrar que se mantém o legado cultural e histórico deixado pelos portugueses em Macau, ou seja, mantendo-se essa ligação. A este propósito, recordou Jorge Rangel a presença de Macau entre as “7 Maravilhas de Origem Portuguesa no Mundo” (da RTP), com as Ruínas de S. Paulo. Mas há outra marca: os direitos, liberdades e garantias saídos da Constituição Portuguesa.

Marta Costa