Pequenos Cantores da Maia encerram comemorações dos 25 anos

0
26
Pequenos Cantores da Maia na Disneyland Paris

A fechar as comemorações dos 25 anos dos Pequenos Cantores da Maia (PCM), o diretor artístico desde a fundação do grupo coral infantil, Victor Dias, abordou com o jornal Primeira Mão, os principais eventos e conquistas do agrupamento.

Os PCM estão a encerrar o ano de celebração do 25º aniversário de atividade com mais uma obra “a ser produzida e quase na sua conclusão, faltando apenas gravar duas canções”. Além deste projeto, os Pequenos Cantores apresentam-se em dois grandes acontecimentos culturais e sociais no final deste mês.

No dia 27, os PCM participam num encontro musical internacional, integrado na programação paralela da Bienal de Vila Nova de Cerveira, evento cultural que as crianças que compõem o coro municipal da Maia terão oportunidade de visitar e apreciar a arte contemporânea em exposição.

Na véspera do feriado, a 30 de maio, os Pequenos Cantores irão atuar na Gala de entrega de prémios de empreendedorismo da Acredita Portugal, na FIL, em Lisboa.

Democratização da cultura

Os Pequenos Cantores da Maia são uma demonstração artística da pluralidade e democratização cultural na Maia. Victor Dias refere que já “passaram pelo grupo centenas de crianças, que agora são adultos conscientes e produtivos, cidadãos de primeira linha.

A coesão social tem sido uma preocupação desde a criação do coro, abrindo o grupo à integração de crianças vindas dos mais variados setores da sociedade, sem barreiras de raça, credo ou condição económica, apenas se exige que a criança tenha algum ouvido para a música e uma voz minimamente afinada.”

De resto, os Pequenos Cantores acabam por ser uma porta de entrada ou de integração de diversos estrangeiros, que fixam residência na Maia e que teriam dificuldade em integrar os seus filhos na sociedade sem esta participação. Victor Dias explica que “através do coro, essas pessoas entram em contacto com os colegas dos filhos, os seus pais, os responsáveis pela autarquia, acabando por terem facilidade de acesso a quem está no poder e, porventura, numa posição habitualmente mais distante”.

PCM é uma instituição muito inclusiva, acolhendo inclusive crianças portadoras de doenças raras e com dificuldades de locomoção, o que atribui aos restantes elementos do coro um papel de acolhimento importante e pedagógico.

De salientar que o patrono dos PCM é o presidente da Câmara da Maia, que tem sempre uma grande proximidade dos elementos do coro, “dá atenção às crianças e fala muito com elas”, frisa Victor Dias. Nesta altura, o autarca está a apoiar a renovação da farda dos Pequenos Cantores da Maia, garantindo que tenham uma apresentação moderna, mas digna da cidade.

Sensibilização ambiental pela música

Além de ser um agrupamento que procura promover a integração social, o coro tem tido a preocupação da educação para a cidadania desde a sua fundação, como recorda Victor Dias: “Aquando da fundação dos PCM era vereador do Ambiente, o Eng.º Silva Tiago, hoje, presidente da Câmara, que sempre apoiou este tipo de intervenção tendo depois ajudado a encontrar os parceiros certos para a produção dos álbuns que fomos apresentando”.

O próximo trabalho discográfico nesta linha de orientação intitula-se “A minha escola é o planeta” e foca “temas muito importantes do que deve ser a sensibilização das crianças para os grandes desafios que se colocam à Natureza, no âmbito da sociedade em geral, e que implica que todos tenhamos que mudar de vida”.

O maestro e diretor artístico dos PCM sublinha que “neste trabalho de 25 anos que temos feito focado na educação ambiental os melhores influenciadores são mesmo as crianças”.