“Evoluí, como jogador” no Mundial de Boccia (áudio)

0
748

Portugal terminou o campeonato do Mundo de Boccia com três medalhas conquistadas. Todas de prata. Apesar de estar em competição, pela primeira vez num mundial da modalidade, nenhuma delas foi ganha pelo maiato Pedro da Clara, que competia em BC 4.

No dia 04 de Junho, a selecção das quinas de boccia conquistava a primeira medalha de prata deste mundial. Na categoria de BC 3, a dupla Armando Costa / José Macedo sagrou-se vice-campeã mundial, não conseguindo contrariar a Coreia do Sul, que venceu por 10-0. As restantes duas medalhas de prata só foram ganhas na competição individual. Primeiro, em BC 1, com João Paulo Fernandes a triunfar sobre o espanhol José Manuel Prado (quartos-de-final) e sobre o tailandês Tadtong (meias-finais). O português, que foi campeão paralímpico em Pequim, cedeu na final perante o irlandês Padraic Moran, ao perder por 3-2. Seguiu-se José Carlos Macedo, que na final de BC 3 foi ultrapassado pelo coreano Ho Wong Jeong, ao perder por 10-0.

Na disputa do terceiro lugar, mas em BC 4, Fernando Pereira perdeu pela margem mínima de 4-3, diante do brasileiro Eliseu Santos, terminando o Campeonato do Mundo na quarta posição. Já o colega de selecção Pedro da Clara ficou a um lugar de se apurar para as eliminatórias, já que foi o oitavo melhor segundo classificado dos nove grupos, depois de três vitórias e uma derrota. Na memória fica a derrota por 3-4 frente a Stephen McGuire, da Grã-Bretanha, e “a vitória que soube melhor” sobre o checo Radek Prochazka, por 6-5. Sem esquecer o triunfo por 3-2 diante do espanhol Marcos Marciel.

O atleta do FC Porto, como os restantes dez convocados e a seleccionadora nacional, esperavam ainda trazer para casa uma medalha da competição em pares. “Mas, quando chegámos lá, constatamos que a concorrência ia ser bastante”, quando comparado com o mundial de há quatro anos.

[audio:EQUIPAS_MUNDIAL.mp3]

Mesmo sem medalhas, da participação neste Campeonato do Mundo de Boccia Pedro da Clara ganhou experiência, olhando à competitividade que marcou a prova. Além disso, o facto de representar as cores nacionais e de estar entre cerca de 240 atletas provenientes de 35 países “é uma coisa fantástica”, mais ainda porque “foi a melhor prova de sempre”. E “evoluí, como jogador”, conclui.

[audio:EXPERIENCIA_MUNDIAL.mp3]

A época está prestes a terminar. Depois do Mundial de Boccia, Pedro da Clara disputa a última prova da temporada nacional. Trata-se do Campeonato de Portugal, marcado para os dias 26 e 27 de Junho. Quanto a desejos, já sonha com a possibilidade de também representar Portugal nos Jogos Paralímpicos. Mas, a mais curto prazo, de ser chamado para a Taça do Mundo de Boccia, que no próximo ano terá lugar na Irlanda.

Marta Costa