ADA Maia / ISMAI na primeira divisão de andebol

0
187

Na próxima época, a Associação de Andebol do Porto terá três equipas a disputar o primeiro escalão do andebol nacional, em seniores masculinos. E duas são da Maia. A Académica da Maia / ISMAI juntou-se à Associação Atlética de Águas Santas, depois de terminar o campeonato da segunda divisão em segundo lugar. O feito foi conseguido na penúltima jornada, na Madeira, ao derrotar o Marítimo por 25-27. E acabou a época com mais uma vitória, por 30-26, no Pavilhão do Formigueiro, na recepção ao Avanca. Sem esquecer a chegada aos quartos-de-final da Taça de Portugal.

Apenas superados pelo Fafe nesta época 2010 / 2011, no campeonato nacional, os vice-campeões maiatos foram esta semana recebidos na Câmara Municipal da Maia, onde foram homenageados pela conquista. Não faltaram também os apelos e até advertências para a próxima temporada. Antes disso, os resultados e a conquista.

A época da ADA Maia / ISMAI começou com um empate a 27 golos, mas com um sabor especial que ainda hoje o treinador Paulo Sá recorda. Foi com o Fafe, tido como um dos favoritos e “a grande equipa desta divisão”. O resultado, conta o técnico, traduziu-se “numa maior motivação por parte de todo o grupo de trabalho, um acreditar naquilo que estávamos a fazer e um bom trampolim para o resto da época”.
Tendo em conta o objectivo de subir, a equipa maiata tentou superar a dificuldade do campeonato “com a competência”, logo na primeira fase Zona Norte. O resultados foi a conquista de 49 pontos, os mesmos que o Fafe. Já na fase final, integrado no Grupo A, o conjunto da Maia ficou a apenas quatro pontos do mais directo adversário, resultado de sete vitórias, duas derrotas consecutivas que se traduziram “num decréscimo de rendimento da equipa”, e um empate.

Corrigidos os problemas, a ADA Maia / ISMAI terminou a fase final com seis pontos de avança sobre o Avanca, garantindo a subida de divisão, ainda que sem conseguirem sagrar-se campeões nacionais da segunda divisão. Agora, há que pensar no escalão maior do andebol nacional, consciente Paulo Sá de que “a responsabilidade acresce”, até porque a tendência tem sido para descerem as mesmas equipas que na época anterior conseguiram a promoção. E com a agravante de se tratar de “um clube muito jovem”, a quem se pretende imprimir uma organização profissional.

Quanto ao grupo de trabalho, “se conseguirmos dar aos que estão cá melhores condições de trabalho, um trabalho mais organizado, mais seguro”, a somar a dois ou três reforços, considera Paulo Sá que “é o suficiente para encarar a primeira divisão com segurança”. A este propósito, o director do clube, Eduardo Soares, admite uma ou outra contratação, sem investimentos avultados, sublinhando o dirigente que o actual grupo de trabalho “é muito homogéneo, muito bom, muito saudável”

ISMAI pede rigor

Em seis anos de existência, é a primeira vez que a ADA Maia / ISMAI disputa o principal campeonato do andebol português. A conquista pode ser motivadora para as camadas jovens do clube, que tem actualmente cerca de 90 atletas federados. Para estes seniores masculinos, a próxima meta é a manutenção, mas Eduardo Soares não escondeu o desejo de poder terminar o campeonato entre os oito primeiros da tabela classificativa. Confessou-o a PRIMEIRA MÃO depois dos reptos lançados pelo vereador do pelouro do Desporto na Câmara da Maia, Hernâni Ribeiro, de pelo na altura vice-presidente da AAP, Paulo Martins, no sentido de terem objectivos ambiciosos.

Da homenagem da passada segunda-feira fica ainda um alerta do presidente do Instituto Superior da Maia, Domingos Oliveira Silva, no sentido no clube “garantir um comportamento e um grau de competitividade de alguma dignidade para a instituição”. Eduardo Soares recebeu a mensagem como simples aviso “preventivo”, até para evitar derrapagens de orçamentos que possam colocar em causa o nome da instituição. Para já, assegura o dirigente, o trabalho tem ficado marcado por “grande rigor”.
A cargo do ISMAI, mas anunciada pelo presidente da câmara, Bragança Fernandes, foi a construção de um pavilhão desportivo, de que poderá também vir a beneficiar a ADA Maia / ISMAI. O espaço que utilizam, o Pavilhão Municipal da Maia, começa a ser difícil de gerir entre todos os escalões, destacando-se além dos seniores os iniciados e os juvenis, a disputarem também a primeira divisão nacional.

Marta Costa