Atletas maiatos mostraram garra no mundial de Karaté

0
349
Atletas maiatos no campeonato do mundo de karaté
- Publicidade -

A cidade de Linz, na Áustria, acolheu de 25 a 30 de outubro o Campeonato do Mundo Sénior de Karaté. O Tips Arena de Linz foi pequeno para os mais de 1100 competidores que se deslocaram de 136 países em busca de um sonho que passa pela conquista do Ouro na prova máxima da modalidade.

A comitiva lusa composta por 19 elementos, contou com a presença de Nuno Moreira que competia na categoria de -84Kg e equipa, Inês Rodrigues nos -55Kg e Gonçalo Pinto na categoria de -60Kg, todos eles atletas do CK Maia.

O primeiro a entrar em prova foi Nuno Moreira que foi impedido pelo argelino Achache Mouad de seguir caminho para a luta pelas medalhas, ao perder pela margem mínima.

Inês Rodrigues, que entrou na prova no dia 26, apanhou uma poule difícil com a medalhada russa Lazareva Elizaveta, não conseguindo passar a eliminatória.

Atletas suportaram as suas despesas

Gonçalo Pinto finalizou o evento com uma excelente prestação. O atleta luso venceu o oponente sérvio Antic Marko,  campeão do mediterrâneo por uns expressivos 8-0 e, na segunda ronda Roman José da Costa Rica por 5-0, só perdendo na terceira ronda frente ao atleta da Macedónia  Pavlov Emil por 2-0. Sem possibilidade de repescagem ficava por aqui a participação maiata no mundial.

“Todos estes atletas treinam arduamente para conquistar estas difíceis medalhas, mas não fazem impossiveis, pensamos que, às vezes, falta-nos a estrelinha da sorte, para além de todas as outras condições. Nuno Moreira, um dos atletas mais medalhados de sempre, treina 5 horas por dia, algo que poucos atletas internacionais fazem, mas também sabe que a maior parte deles são ressarcidos para esse esforço, por exemplo atletas da Áustria e Equador recebem 2000€ por mês, havendo outros exemplos de turcos, espanhóis, gregos, etc.”, referem os responsáveis pelo CK Maia, que adiantam que os atletas portugueses “tiveram que suportar as suas despesas, nomeadamente 800€ para representar o seu país”.

Os responsáveis do clube que acolhe estes três atletas da seleção lusa sublinham que uma coisa ninguém lhes tira – a “enorme vontade de vencer”.

- Publicidade -