Ciclismo: Sandro Pinto volta a brilhar na Corunha

0
201


Sandro Pinto voltou a dar nas vistas, desta feita por terminar na oitava posição da geral individual na Volta à Corunha.
Após a disputa da terceira e última etapa, com partida e chegada a Sigüeiro, na distância de 133 quilómetros, o corredor maiato foi incansável nos seus esforços, tendo subido uma posição no derradeiro dia, depois de ter feito o mesmo no dia anterior.

A derradeira tirada foi ganha por Israel Perez (Extremadura-Spiuk) numa jornada em que Casimiro Oliveira voltou a ser um dos protagonistas ao integrar diversas fugas, terminando na 14ª posição.
Pablo Torres (Caja Rural), vencedor da primeira etapa, manteve a liderança da corrida até ao seu termo, festejando às portas de Santiago de Compostela a conquista da geral individual. António Olmo (Extremadura-Spiuk), com o mesmo tempo, e Jon Garate (Bidelan-Kirolgi), a 5 segundos do vencedor, completaram o pódio final. Para além do 8º posto de Sandro Pinto, a Maia Bike-Team teve ainda Fábio Palma na 13ª posição, Pedro Fernandes foi 34º e Casimiro Oliveira terminou no 39º lugar.

O último dia foi marcado pela aparatosa queda de Paulo Santos no último quilómetros da competição galega. O corredor da Maia-Bike Team embateu com considerável velocidade contra um carro de apoio de uma outra equipa num acidente no qual chegou a temer-se lesões graves. O ciclista maiato foi transportado ao Hospital Universitário de Santiago de Compostela e, apesar da gravidade, não acusou qualquer fractura e já abandonou o hospital.

No final, o director-desportivo da Maia-Bike Team, Paulo Couto, estava mais uma vez satisfeito: “O Sandro Pinto está a ultrapassar um bom momento e voltou a posicionar-se entre os lugares cimeiros, tal como o Fábio Palma, que terminou na 13ª posição. A prestação colectiva tem revelado maior consistência e prova disso é a nossa classificação por equipas, na qual fomos a sexta formação entre as 15 participantes”, resumiu.

O director-desportivo comentou ainda a queda de Paulo Santos “Chegou a temer-se o pior, pois o choque foi bastante violento, a cerca de 60 km/h. Felizmente não passou de um susto, com algumas contusões e escoriações”, acrescentou o responsável.

André Cordeiro