Depois do título da Zona Norte Juvemaia ambiciona primeira divisão

0
169

A Juvemaia sagrou-se campeã da Zona Norte A do Campeonato Nacional da II Divisão de Basquetebol. Em 14 jornadas desta fase, a equipa da Maia sofreu uma derrota e venceu as outras 13 jornadas. A última vitória foi precisamente no passado domingo, em casa, frente ao Bolacesto, que bateu por 71-40, não deixando qualquer margem para dúvidas no que toca à superioridade das maiatas que, ao intervalo já venciam por 38-23.

O jogo decorreu num verdadeiro ambiente de festa, uma vez que já estava assegurada a presença na final-four, que pode levar a Juvemaia à primeira divisão de basquetebol. Houve bolo e as atletas vestiram uma t-shirt com uma fotografia do plantel estampada. Os restantes escalões do clubes foram convidados a fazer claque e a dar mais brilho à festa e responderam positivamente ao convite. No final, depois de fechado o marcador, as atletas chegaram mesmo a dar autógrafos aos mais novos.

Agora, é tempo de começar a pensar na final-four que vai disputar, nos dias 1, 2 e 3 de Maio, em Bustos, Aveiro, juntamente com o Torres Novas, o Estoril e o Sporting Figueirense, tendo em vista a subida. O treinador, Jorge Correia, considera que todas as equipas têm hipóteses de subir de divisão. “É um todos contra todos e ganhar logo no primeiro jogo é muito importante”, sublinha.

Mas certo é que das quatro apenas duas vão subir de escalão. O técnico reconhece que as outras três candidatas “são mais fortes e mais profissionais” que o conjunto da Maia, no entanto, “não têm o espírito e o trabalho” da Juvemaia. “Penso que nós temos mais, temos gente para jogar. A Juvemaia tem onze atletas dedicadas e empenhadas mas amadoras”. Isto ao contrário do que acontece em algumas das equipas que vão disputar as duas vagas na primeira divisão. A título de exemplo, o treinador sublinha que a equipa de Torres Novas foi agora buscar três atletas para a fase final. “Nós não fomos buscar ninguém, só trabalhamos com a prata da casa”.

Concluída a primeira fase do campeonato da segunda divisão, Jorge Correia considera que o resultado foi “muito bom”. “Tivemos apenas uma derrota com um adversário directo, foi em casa, após prolongamento, foi uma derrota injusta mas conseguimos em todos os outros jogos ser superiores”, afirma.

O técnico, que tem vindo a acompanhar o projecto, recorda que na primeira época ficaram em sétimo lugar, depois em quarto, no ano passado ficaram em segundo e este ano, conseguiram então o título zonal. A verdade, assume o treinador, é que este título acaba também por dar um outro incentivo às atletas para disputar a próxima fase da prova. Por isso, acredita no sucesso das suas atletas. “Estou bastante satisfeito”.

A subida à primeira divisão é também o objectivo da presidente, Maliza Rodrigues, e de José Viana, vice-presidente da direcção eleita em Janeiro passado. A Juvemaia – Associação Cultural, Desportiva e Cívica foi fundada em 1990, dedicando-se a várias modalidades desportivas e actividades culturais. Hoje, o trabalho da associação limita-se a apenas duas modalidades, o mergulho subaquático e o basquetebol.

Há três anos, a associação decidiu apostar na formação, com a criação do Mini-Basket nos escalões masculinos e femininos. No caso dos masculinos, quando chegam a Iniciados, os jovens atletas são encaminhados para o Maia Basket, “clube irmão”.

Os femininos permanecem na Juvemaia, e desta forma, o clube garante a formação de futuros atletas para os escalões principais.

Em jeito de balanço, a presidente do clube diz que “tem sido um trabalho muito bem feito, para um clube que não é muito conhecido”. A formação é, sem dúvida, uma aposta do clube.

Outro dos objectivos é também a promoção da modalidade que, diz Maliza Rodrigues, nunca foi muito divulgada no concelho, ao contrário de outras modalidades, como o futebol e o andebol. A dirigente diz que a câmara municipal poderia ter um papel importante na divulgação do basquetebol, através da criação de espaços públicos com tabelas que permitam aos mais jovens o contacto com o basquetebol.

Na totalidade dos escalões de basquetebol, a Juvemaia movimenta cerca de nove dezenas de atletas. “Temos todos os escalões, não temos é equipas B. Temos os três escalões de minis (sub 8, sub 10, sub 12) e todos os outros escalões, cada um deles, com uma equipa sólida”, adianta Maliza Rodrigues.

A presidente diz que o clube tem vindo a trabalhar ao longo da presente temporada para que sejam criadas as condições necessárias para competir na primeira divisão. “Não posso dizer que não temos as condições financeiras, vamos ter de trabalhar muito mais para conseguirmos estar lá, porque são muito mais deslocações. Vamos para as ilhas, para Lisboa, para o Sul. E isso implica muita coisa, não só a nível financeiro, mas também a nível de estrutura”, explica. “Temos de trabalhar muito bem na estrutura para ter a certeza que quando subirmos, conseguimos manter o nosso lugar na primeira divisão”, acrescenta a dirigente. Hoje, a Juvemaia não tem ainda as “condições ideais” para estar na primeira divisão, mas o clube está já a “meio caminho” de atingir o que pretende. “Vai ser um esforço muito maior, quer para nós quer para as pessoas que vão estar connosco, mas acho que com esforço tudo se consegue”, reforçou o vice-presidente, José Viana.

Orçamento e estratégias

Dos 25 mil euros que o clube recebe todos os anos da Câmara Municipal da Maia, 25 a 30 por cento desse valor destina-se à equipa sénior. Os custos com a equipa são, por isso, bastante reduzidos. Algo que se deve ao facto da maior parte das atletas terem sido formadas no clube. Por outro lado, “não temos caído na asneira de pagar valores astronómicos pelos reforços”, adverte. Maliza Rodrigues sabe que há clubes na segunda divisão que estão a pagar salários altíssimos a atletas que foram buscar à Liga. No caso da Juvemaia isso não acontece, por isso, diz que o mérito de clube ter chegado onde chegou, se deve unicamente às atletas.

Quando o clube estiver na primeira divisão, é intenção da direcção da Juvemaia manter a mesma estratégia que tem vindo a ser seguida, em termos orçamentais. O clube deverá ir buscar apenas um ou dois reforços, de resto, e se as atletas assim o desejarem, deverá manter-se a quase totalidade do plantel. “Temos uma relação muito humana com as nossas atletas, e tudo indica que elas deverão ficar”, argumenta a dirigente. Relativamente à equipa técnica ainda não há qualquer decisão. “Só o tempo o dirá. Só pudemos fazer uma avaliação do trabalho que foi feito depois da final-four. Nós estamos satisfeitos com o trabalho que eles estão a executar, só que também temos de contar com a vontade deles continuarem ou não”, refere José Viana.

Na última temporada, a Juvemaia ficou em segundo lugar. Nestes últimos três anos, o clube tem vindo a caminhar em direcção à subida, por “mérito próprio”.

Para a final-four, a Juvemaia conta à partida com adversários de peso que foram buscar reforços, propositadamente para esta fase, segundo José Viana. “Há muitos clubes a apostar forte na subida de divisão”, diz. No caso da Juvemaia, “pretendemos manter o plantel exactamente como está”, acrescenta o vice-presidente.

Fernanda Alves e Isabel Fernandes Moreira