Gondim quer chegar aos 100 atletas na formação

0
115

Faz este mês quatro anos que Mário Freitas tomou posse enquanto presidente da direcção da Associação Recreativa, Desportiva e Cultural de Gondim. Na altura, um dos objectivos, para além de continuar a apostar no futebol sénior, passava também por uma aposta forte nos escalões de formação. E a verdade é que dos, na altura, 20 meninos que o clube tinha, actualmente têm cerca de 85 miúdos a praticar futebol de onze e de sete.

“A maior transformação de Gondim, depois das condições físicas, foi na realidade a aposta na formação, e quer eu quer a restante direcção estamos satisfeitos porque tivemos um desenvolvimento muito grande do desporto”, afirma o dirigente.

Neste campo, Mário Freitas reconhece o mérito do coordenador, Jorge Almeida, “um homem com grande empenho e que tem dado uma grande ajuda porque gosta muito do trabalho que faz”.

Mas a meta traçada pelo Gondim ainda não foi atingida. O objectivo é chegar aos 100 atletas nos escalões de formação. Pretendem também inscrever mais duas equipas, uma em futebol de 7 no escalão de escolinhas e outra em futebol de 7 mas no escalão de iniciados. Isto “apesar de já termos a competir, que começou no ano passado”.

Essa mesma equipa vai, no dia 2 de Maio, até à capital. Os jovens atletas vão participar num mini torneio organizado pelo Belenenses FC e ainda vão ter a oportunidade de visitar o Estádio da Luz. “É muito gratificante vermos os miúdos crescer como homens e como atletas porque estou convencido que daqui a meia dúzia de anos, todos os directores que estão a trabalhar no clube vão sentir-se gratificados por ver os atletas que são formados no clube”, justifica Mário Freitas.

Quatro anos depois, o dirigente diz-se “cansado”. “Foram quatro anos muito exaustivos”, confessa. Por isso, se aparecer alguma lista candidata às eleições, que vão decorrer na Assembleia-Geral marcada para o dia 17 de Abril, garante que vai dar o lugar a outro. Se não aparecer nenhuma lista, “terei de continuar à frente do clube por mais dois anos”.

Isabel Fernandes Moreira