Magoados com Luís Cândido

0
60

O ainda presidente do Folgosa da Maia Futebol Clube, Luís Cândido, anunciou a demissão da presidência do clube na tomada de posse para mais um mandato à frente dos destinos da freguesia de Folgosa. Este anúncio, feito sem dar conhecimento prévio aos restantes elementos da direcção, não caiu bem no seio dos dirigentes do clube. O presidente-adjunto do Folgosa, José Augusto Azevedo, reflecte esse sentimento: “A maneira como ele anunciou a saída não foi a mais correcta. O que provoca alguma mágoa e surpresa nos elementos da direcção é que ele não nos comunicou nada antes de ter feito esse anúncio. Eu, o presidente da Assembleia-geral e o presidente do Conselho Fiscal somos amigos do Luís Cândido há 49 anos e penso que merecíamos um pouco mais de consideração. É a única coisa que lhe tenho a apontar em 30 anos de trabalho com ele. De resto, continuamos amigos.”.

José Augusto Azevedo refere que “em termos práticos não muda nada porque eu já desempenhava todas as funções de presidente do clube”, mas ainda assim critica o comportamento do presidente demissionário. “Ele anunciou que seria eu a assumir os destinos do clube sem ter falado comigo. Ninguém gosta de ser empurrado para nada. Apesar de eu já desempenhar as funções, acabo por entrar pela porta pequena porque fui empurrado e ele também sai pela porta pequena devido à atitude que teve”, acrescentou José Augusto Azevedo.

Confrontado com as declarações do presidente-adjunto, Luís Cândido reitera que “nem à minha esposa tinha dito nada” e diz que era algo já esperado por todos: “Há cerca de uma ano e meio que andava para tomar esta decisão. Não percebo porque é que o José Augusto ficou ressentido. Foi o único da direcção que não quis entender. Eu não ia ficar no Folgosa até Maio e ser um presidente de cera. Já eram eles que tomavam as decisões no clube, por isso penso que foi o momento certo para sair”.

Sobre a crítica feita por José Augusto Azevedo de ter sido “empurrado” para a presidência, Luís Cândido diz que não faz sentido: “Ele devia-se ter queixado de ter sido empurrado já no ano passado, quando eu estive doente e ele assumiu o comando do clube. Agora não tem cabimento. O José Augusto ficou chateado, não compreendo, mas respeito isso. Acho que ele também devia respeitar a minha decisão”, desabafou o presidente demissionário.

O mandato da actual direcção termina em Maio de 2010, mas José Augusto Azevedo ainda não assume uma candidatura: “Ainda não decidi se vou ser candidato. Em termos de direcção está tudo bem, mas há algumas coisas que se passaram que não me caíram muito bem e ainda tenho de ponderar”.

No que diz respeito ao clube, o agora responsável máximo do Folgosa está satisfeito com o início de época: “As camadas jovens estão a começar bem em todos os escalões, excepto o de juniores que está menos bem. De resto, corre dentro do que foi programado. Mesmo a equipa sénior, que começou um pouco mal, já está a ter melhores resultados, começámos a ganhar em casa que era algo que não acontecia, e esperemos que tudo continue a correr pelo melhor”, concluiu José Augusto Azevedo.

André Cordeiro