Maiastars: Continuar o trabalho

0
154

O Maiastars teve um campeonato regular na época 2009/2010, ficando afastado da Fase Final da 1ª Divisão de Seniores Femininos por pouco. Nas camadas jovens, a equipa maiata de andebol esteve presente em várias finais nacionais.
O presidente do Maiastars, José Carlos Ribas, afirma que no clube “as épocas são sempre muito positivas” até porque é um ”clube virado para uma missão social que aposta nas camadas jovens para desenvolvimento competitivo”.

O presidente do emblema maiato realça os feitos alcançados na formação: “Ao contrário de outras épocas, este ano não ganhámos nenhum título. No entanto, estivemos presente em várias finais, onde alcançámos dois 3º lugares. A equipa de juniores sagrou-se campeã cinco vezes em seis anos, ao longo de todas os escalões. Fomos passando as fases de apuramento com todas as equipas e aqui realça-se a prestação da equipa de infantis, que era a mais jovem da fase final e alcançou o terceiro lugar. Esse é talvez o resultado mais importante”, refere José Carlos Ribas.

Sobre a nova temporada, o dirigente maiato não teme perder jogadoras da formação sénior até porque “no clube ficamos felizes quando elas conseguem melhores contratos e melhores condições de vida” e vê uma oportunidade com a saída de algumas atletas: “Quando sai alguém é sempre uma oportunidade de outras jogadoras se desenvolverem e poderem crescer. Também sentimos que o nosso trabalho é feito com qualidade”, afirma o presidente e treinador do Maiastars.

Quanto a metas para 2010/2011, José Carlos Ribas não põe pressão em nenhuma equipa: “Nas camadas jovens não pomos fasquias. O objectivo é o crescimento individual de cada atleta e e de cada grupo. Nas seniores sim, fazemos as metas consoante o grupo e a qualidade de atletas. Era agradável estarmos numa fase final mas não é determinante. Nós estamos sujeitos a um orçamento curto e não devemos nada a ninguém. Quando há este equilíbrio nunca podemos ter objectivos muito altos. Nós sabemos que não temos um plantel tão apoiado como o da maioria dos plantéis da 1ª Divisão”, conclui José Carlos Ribas.

André Cordeiro