Os heróis moram no Castelo

0
148

Estes são os homens do momento do desporto maiato por estes dias. Os atletas do Castelo da Maia fizeram o inesperado e bateram o poderoso Benfica por 3-1 na final da Taça de Portugal de Voleibol. Uma vitória improvável numa das melhores épocas dos castelenses nos últimos anos, algo que não passou despercebido à autarquia maiata que os homenageou esta quarta-feira, no Salão D. Pedro IV da Câmara Municipal.

Além de toda a equipa que trouxe o troféu para a Maia, também a nova direcção do Castelo da Maia se fez representar. A vitória da equipa sénior de voleibol é um dos frutos da aposta feita pelo presidente eleito há um ano. O responsável máximo pelo clube diz que os detentores da Taça de Portugal “são jovens, humildes e trabalhadores”, valores que foram essenciais para a conquista do troféu, no entender de Celestino Fonseca. O dirigente está tão agradado com o bom momento do clube que já garantiu a continuidade de Alexandre Afonso à frente do comando técnico da equipa sénior de voleibol. “Já falei com ele e é para continuar, até porque é um homem da casa e já estou com ele a preparar a próxima época”

Objectivos cumpridos e mais alguma coisa

Em relação à divisão A1 de Voleibol Masculino, o objectivo da direcção do Castelo era ficar nos quatro primeiros. Essa meta está garantida e a equipa luta agora pelo terceiro lugar no campeonato com o Vitória de Guimarães, o outro semi-finalista. “Não queremos atirar a toalha ao chão até ao fim do campeonato”, desabafa Celestino Fonseca.

Mas o que pouca gente sabe é que o Castelo da Maia tem um amuleto especial. Chama-se Hernâni Ribeiro. Diz Celestino Fonseca que “quando o vereador do desporto vai ver os jogos, o Castelo ganha. Até quando está a perder”. “Já aconteceu nós estarmos a perder num jogo muito complicado, ele chegar e nós virarmos o resultado”, acrescentou.

Outro adepto “fervoroso” do Castelo da Maia é o presidente da autarquia, Bragança Fernandes. O edil considera que o clube “já habituou a Maia aos bons resultados”. Resultados que têm um sabor especial quando são conquistados a um Benfica que era o candidato natural à vitória, considera o presidente da autarquia maiata.

Celestino Fonseca já adiantou que vai apostar num trabalho de continuidade, e “só o tempo dirá” se os bons resultados se vão suceder, apesar do bom momento que o Castelo está a atravessar. E para recompensar jogadores e equipa técnica, a autarquia atribuiu, a todos os elementos do colectivo do Castelo, um prémio de 500 euros.

Pedro Póvoas