Taça Internacional Maia Jovem foi para Inglaterra

0
197

Peter Ashley foi o vencedor da edição deste ano da Taça Internacional Maia Jovem, uma competição reservada a jovens até aos 14 anos e pontuável para o Circuito Juvenil da Associação Europeia de Ténis (Tennis Europe), que terminou no passado domingo. O tenista inglês bateu o espanhol Alberto Campos na final pelos parciais 7-6 e 6-0. Já a final feminina foi ganha pela espanhola Sara Tormo, que venceu a romena Andreea Fometescu pelos parciais de 6-2 e 7-5. Em pares masculinos a vitória foi para a dupla Peter Ashley e Shakeel Manji. A dupla Iona Ducu e Jelena Ostapenko venceu a final feminina.

Depois de ter assistido a uma final bem disputada, o vereador do Desporto da Câmara Municipal da Maia, Hernâni Ribeiro, fez um balanço “bastante” positivo desta 17ª edição da Taça Internacional Maia Jovem. Passou pelo Complexo de Ténis com alguma regularidade durante toda a semana e garante que apesar da tenra idade dos tenistas, presenciou grandes momentos de ténis. “Foi mais uma semana de excelente ténis, com os melhores atletas da Europa, neste escalão”, referiu.

Para a edição deste ano inscreveram-se 300 atletas de 25 países, entre os quais alguns países que nunca tinham participado na prova maiata, como é o caso dos Estados Unidos da América e países oriundos da antiga União Soviética, como o Quirquistão e o Tajiquistão. Hernâni Ribeiro mostrou-se satisfeito com a procura crescente da prova por parte dos atletas europeus. “É um torneio que já se impôs no calendário internacional e que actualmente pertence ao Grupo 1, portanto, está entre os torneios principais da Europa, nesta categoria, isso é sinónimo que existe aqui uma boa organização, que existem boas infra-estruturas que suportam toda a logística que um torneio desta natureza envolve e, portanto, é uma grande satisfação para nós, ano após ano, ver reconhecida a qualidade do torneio e continuarmos a ter a preferência dos atletas”.

E este ano, acrescentou o vereador do desporto, até o clima ajudou a organização. “É a primeira vez que num torneio, pelo menos, dos últimos anos, não chove.

Estável tem sido o número de patrocinadores que conseguiram captar para esta organização, “o que nos dias que correm já é muito bom”, confessa. Acrescentou ainda que a Taça Internacional Maia Jovem que quase se paga a ele próprio e isso “é mais uma virtude da organização”. “E isso tem acontecido graças aos patrocinadores que se conseguiram e felizmente temos conseguido estabilizar o número e o valor que os mesmos prestam a este torneio”.

Quanto à participação de atletas portugueses que este ano não foi a melhor, Hernâni Ribeiro refere que foi “um ano atípico” e recordou a presença de um português nas meias finais, no ano passado, e as vitórias arrecadas no torneio por Gastão Elias, “um nome que vai aparecer, com certeza, no circuito sénior internacional”, assim como Frederico Gil “Portanto, há portugueses com qualidade”.

Nota menos positiva destina-se ao público, embora o vereador do Desporto considera que as finais “animaram mais um bocadinho”. De resto, durante a semana, tiveram pessoas ligada ao ténis, No entanto, Hernâni Ribeiro recorda que, muitas vezes, estes eventos não são realizados para as massas ou para proporcionar espectáculo para muita gente. “É sim para divulgar a modalidade, para incentivar os jovens que a praticar a praticar ainda com mais afinco para, um dia, poderem disputar torneios destes”. Por isso, considera também importante o torneio de sub 10 que se realiza paralelamente.

Isabel Fernandes Moreira