Volta a Portugal: Ciclista tem vida dura

0
215

Os ciclistas têm uma das profissões mais duras do desporto mundial. Parar além dos muitos quilómetros que fazem em cada etapa, foras das provas é preciso treinar muito, ter uma alimentação equilibrada e privar-se de muitas coisas para se manter em boa forma.
André Cardoso, ciclista gondomarense da Palmeiras Resort-Prio Tavira, diz que o “essencial da vida de ciclista é o treino e uma alimentação equilibrada” até porque o controlo de peso “é essencial para chegar em forma à competição”.
André adianta ainda que os ciclistas são obrigados a ter “um grande auto-controlo” porque fora das provas não há um controlo tão apertado da parte da equipa. “Nós temos um médico que nos faz os planos de treino, adequado às capacidades de cada um, que temos que seguir fora da competição. Temos que treinar muito e bem, sem fugir do plano traçado, e ter uma alimentação saudável. É uma profissão de grande dedicação”.

Esta ideia é partilhada por Sérgio Ribeiro. O ciclista da Barbot Siper, que reside na Maia, afirma que “a alimentação não difere muito da ingerida em competição” e que tenta evitar as tentações do dia-a-dia: “É preciso evitar aquelas comidas típicas do Norte que nós tanto gostamos. Não ingerir comidas com muitas gorduras e controlar bem o peso, porque isso tem muita influência na forma de um ciclista. Também é preciso treinar muito mas ainda se arranja tempo para estar com a família”.
Em competição, como na Volta a Portugal, a alimentação torna-se ainda mais importante: ”Pelo que eu conheço, todos comem muita massa e arroz logo de manhã porque dá mais força para a as etapas”, refere Sérgio Ribeiro. André Cardoso volta a estar de acordo: “Ingerimos muitos hidratos de carbono logo de manhã porque eles são o principal combustível de um ciclista. Durante a etapa voltamos a ingerir barras energéticas e sais. As proteínas também são muito importantes”.

Depois das etapas, vem a melhor parte: “Tomámos banho e recebemos uma massagem retemperadora para que os músculos se ressintam o menos possível do esforço. À noite, depois de jantar ficamos no hotel a conviver uns com os outros até para reforçar o tal espírito de grupo”, diz Sérgio Ribeiro. Em relação a hobbies, o ciclista da equipa de Vila Nova de Gaia dá preferência ao computador: “Sou um pouco viciado no PC. Gosto de ler as notícias e analisar as etapas. Também discutimos as notícias e às vezes até nos perguntamos de onde vêm aquelas que sabemos não ser verdadeiras”, finaliza Sérgio Ribeiro.

André Cordeiro / Ângelo Jorge