Câmara da Maia assina último contrato MaiaFinicia (com audio)

0
292
- Publicidade -

A Câmara Municipal da Maia assinou esta terça-feira, ao final da manhã, com a empresa Arménio Ferreira Campos, Lda, o último contrato de financiamento, no âmbito do MaiaFinicia – Fundo de Financiamento às Micro e Pequenas Empresas do Concelho da Maia. Neste caso, são cerca de 20 mil euros que para esta empresa de serralharia de construção civil, “representa uma boa ajuda”, afirma o empresário.

Trata-se de uma empresa sedeada em Gemunde, que se dedica à execução de trabalhos em ferro, aço e alumínio, bem como tremonhas em chapa para colocação de resíduos nas estações de tratamento de águas residuais. Com este investimento, a empresa pretende contratar três trabalhadores especializados com o objectivo de abranger outras áreas de mercado, nomeadamente a execução de estruturas e mobiliário inox para lojas comerciais e bancárias.

No final da assinatura que, desta vez, não contou com o presidente da câmara da Maia, Bragança Fernandes, a representante do BES, Mónica Pereira, afirmou que o projecto reflecte a boa relação entre os diferentes parceiros. No caso da entidade bancária e da autarquia maiata, “a conjugação de interesses comuns só poderiam resultar em sucesso”, sublinhou.

Com a assinatura deste último contrato, esgotam-se os 500 mil euros do MaiaFinicia. E o balanço não podia ser mais positivo, afirmou o vereador da Juventude, Hernâni Ribeiro, recordando que apoiaram 14 projectos de investimento, que foram responsáveis pela criação de cerca de 40 postos de trabalho, “que representaram no universo de empresas apoiadas um acrescento de 110 por cento dos postos de trabalho existentes”.

[audio:ULTIMO_MAIAFINICIA.mp3]

O MaiaFinicia – Fundo de Financiamento ao Desenvolvimento e Modernização de Micro e Pequenas Empresas da Maia, criado pela Câmara Municipal da Maia em parceria com o Iapmei, a Tecmaia SA, o Banco Espírito Santo e a Norgarante tem o objectivo de ajudar as micro e pequenas empresas Maiatas a modernizarem-se e desenvolverem-se, tornando-se mais competitivas.

Este fundo teve uma dotação máxima de referência de 500 mil euros, onde 20 por cento deste apoio é financiado pela Câmara Municipal sob a forma de subsídio reembolsável sem juros. Os restantes 80 por cento são financiados pelo Banco Espírito Santo, sob a forma de empréstimo bancário com uma taxa de juro preferencial. Cada projecto empresarial foi apoiado até um máximo de 45 mil euros.

A autarquia já tinha mostrado vontade de reforçar o fundo. No entanto, no final da assinatura do protocolo, Hernâni Ribeiro mostrava algumas reservas, anunciando que se trata de um assunto em fase de avaliação, fundamentalmente porque as condições propostas, no âmbito nacional, deste fundo em termos de spread bancário. “Quando começamos com este fundo o spread era 1,25, a meio passamos para 2.5 e hoje o que nos propõem é 5 por cento, portanto, a câmara tem que fazer uma avaliação dos mecanismos de financiamento que existem disponíveis”, justifica.

Isabel Fernandes Moreira

- Publicidade -