Cordoaria Oliveira Sá adquirida por norte-americanos

0
259

O Grupo Oliveira Sá, da Maia, considerado um dos principais fabricantes de cabos de aço de Alta Performance e cabos sintéticos, foi adquirido pela WireCo, o maior produtor e distribuidor a nível mundial de cabos de aço especiais. De acordo com um comunicado da empresa norte-americana, o negócio foi oficializado na terça-feira da passada, e inclui outros activos que compõem o negócio do grupo luso no mundo todo. Contudo, os valores do negócio não foram revelados.

A venda aos norte-americanos da WireCo, com sede no Kansas e detida pela Paine & Partners, um fundo de investimento de capital fechado, envolve então a aquisição de todos os negócios do grupo, ou seja, abrange a cordoaria Oliveira Sá, as duas fábricas localizadas na Maia e Paredes, a sucursal da empresa na Holanda e as sociedades Albino, Maia & Santos e a Cabos & Lingas de Lisboa, responsáveis pela rede de distribuição a retalho.

“A aquisição do Grupo Oliveira é a continuação da nossa estratégia para fortalecer a nossa liderança nos nossos mercados principais, para permitir o acesso a novos mercados geográficos e para expandir os nossos recursos nos sintéticos”, afirma o CEO da WireCo, Ira Glazer em comunicado.

O Grupo português, que fabrica cabos sintéticos de alta performance destinados à amarração de plataformas em águas profundas, mooring e outras aplicações, “está nos mercados marítimos que são altamente complementares à nossa oferta actual, incluindo offshore (petróleo e gás) e pesca”. Por isso, diz a WireCo que juntamente com a fusão efectuada em Dezembro do ano passado com a Phillystran, poderá agora oferecer ao mercado “um pacote completo de cabos sintéticos de avançada tecnologia”.
Além disso, “a Oliveira Sá tem uma posição forte no mercado de cabos de aço de substituição para gruas, o que reforça a nossa liderança nesse segmento”, acrescenta o mesmo comunicado.

“A Oliveira, é muito respeitada no mercado devido à notabilidade da sua marca, à qualidade dos seus produtos e forte reputação no mercado global com clientes de longa data e distribuidores chave”, acrescentou Ira Glazer. E com a forte experiência da WireCo na fusão de empresas alvo adquiridas, espera uma transição “tranquila” para o Grupo Oliveira Sá, clientes e funcionários.
O CEO afirma ainda esperar que a equipa existente de gestão da Oliveira Sá permaneça na empresa, tal como tem acontecido em aquisições anteriores pela WireCo.

A empresa norte-americana garante também que pretende manter as produções nas fábricas da Maia e de Paredes e espera expandir a capacidade instalada, “o que exigirá um investimento em instalações e equipamentos e criar um potencial de novos empregos”.
A empresa Oliveira Sá foi fundada em 1825 e em 30 de Junho de 1908 foi registada como Manuel Rodrigues de Oliveira Sá & Filhos, Lda., tendo sido transformada em Sociedade Anónima em 1991. Actualmente, a gestão da empresa, que é a mais antiga cordoaria portuguesa, encontra-se a cargo da 5ª geração da mesma família. O Grupo Oliveira Sá tem cerca de 479 trabalhadores e uma facturação anual consolidada de 53,8 milhões de euros.

Contactada por PRIMEIRA MÃO, a administração da empresa maiata preferiu não fazer declarações, remetendo esclarecimentos para o comunicado conjunto.

Isabel Fernandes Moreira