“Um dia especial para a Mazda”

0
186


Para assinalar os 20 anos do Mazda MX 5, a marca juntou-se no Palácio do Freixo, no Porto. Em destaque estava o conhecido pequeno carro da Mazda há 20 anos nas estradas do mundo. Na entrada do centenário edifício, com vista para o Douro, os carros alinhavam-se para a demonstração. Entre eles, claro está, a estrela da concentração, o MX 5.

O dia começou com uma recepção aos convidados, onde foi servido um pequeno-almoço com o rio como pano de fundo. O concessionário da marca na Maia, a Maivex, fez-se representar por Rodrigo Silva, para quem o Palácio do Freixo tinha ficado mais interessante no dia da comemoração, já que se “alia todo o património histórico a toda a gama Mazda, e produtos muito especiais como o MX 5”. No fundo, foi “um bocadinho da história de Portugal e um bocadinho da história da Mazda”. Marca que Rodrigo Silva diz caracterizar-se pela “qualidade geral das viaturas. A robustez dos carros, a fiabilidade, o design, tudo isso é fundamental”, justificou. E para tirar a “prova dos nove, foi possível aos participantes neste encontro conhecer toda a gama da marca, ensaiar carros e efectuar testes dinâmicos.

O director geral da Mazda Portugal também esteve no Palácio do Freixo. Luís Morais diz que a escolha do conhecido monumento portuense não foi ao acaso, já que se trata de “um local lindíssimo e muito importante”. Foi também Luís Morais que explicou o slogan da Mazda. “Zoom-zoom”. Dois sons que se tornaram famosos e que se assemelham a uma criança a brincar com um carrinho. “Quando entregamos um carrinho a uma criança de quatro ou cinco anos não precisamos de lhes explicar muita coisa. Começa logo a fazer vrum, vrum! Foi assim que nasceu o ‘zoom-zoom'” e foi assim que o director da marca japonesa em solo nacional explicou o significado da filosofia da Mazda.

Mas sem nunca esquecer a segurança e a fiabilidade dos carros que representa: “A marca tem como missão produzir carros seguros, fiáveis, ecologicamente responsáveis mas sem nunca perder o verdadeiro espírito do prazer da condução. É assim que a marca que se define”. Com especial ênfase para o prazer de condução, salienta Luís Morais, para quem “o verdadeiro espírito automóvel é aquilo que, no fundo, muitos de nós gostamos num automóvel que é mais do que um simples meio de transporte”.