Opinião Joaquim Jorge: “Listas”

0
146

Sempre que há eleições aparecem notícias sobre as famigeradas listas. Para quem nunca militou num partido e não tem afinidade com estas coisas da política, os deputados são seriados numa lista no respectivo círculo para se candidatarem à Assembleia da República.
Essa escolha é feita de uma forma reptícia, camuflada e amiga, por quem lidera as “distritais” do partido, raramente impera o mérito e o debate de ideias. O aval final é dado pela direcção desse partido.

 

Se isto não é tropa eu vou ali e venho já! O que me mete mais confusão é uma minoria das minorias escolher os representantes do povo. Primeiro um grupo de militantes que estão no poder na altura nesse distrito (eleitos por uma minoria de militantes, muitas vezes em lista única) e depois quatro ou cinco da taske-force do líder do Partido em Lisboa. Esta é uma das razões do divórcio dos cidadãos com a política. Não têm parte activa nas decisões e tudo passa-lhes ao lado. A maioria dos militantes sabem de alguma coisa, mas não fazem ondas para eventualmente ficarem colocados em algum lugar, são obnóxios.

O lema de início é “um por todos e todos por um”, mas na parte final é “todos por alguns”.
Este portefólio cada vez tem menos apoios e impera o primado dos interesses individuais sem satisfazer as pretensões da maioria que são os cidadãos. Aliás, a democracia representativa portuguesa impede a possibilidade de concorrerem deputados independentes, só incluídos em listas de partidos. Os partidos mais parecem uma organização empresarial funcionando com um apetite viciante em fazer o que for preciso para chegar ao poder. Os partidos poderiam perfeitamente chamar-se por exemplo ‘PSD, S.A.’ ou ‘PS, S.A.’ ou ‘CDS/PP, S.A.’, etc.

Nota: deveria ser obrigatório como dever cívico de cidadania os cidadãos terem que militar num partido, por exemplo dois anos, e participarem activamente nas eleições internas e reuniões para perceberem o seu funcionamento. Talvez desta forma os partidos mudassem um pouco com novas ideias e outras pessoas.

Fundador do Clube dos Pensadores