Semana de cinema

0
8
Casablancas l`homme qui aimait les femmes no porto/post/doc

1.- Nos cinemas Rivoli, Passos Manuel e Maus Hábitos, começou no sábado passado a exibição de filmes, integrado no festival internacional, que o porto/post/doc realiza há alguns anos e que vem animar a baixa do Porto, colocando-a no cartaz de cidade com bom cinema. O festival, que acaba no dia 4 de dezembro, focaliza a sua atuação principalmente ao Sensory Ethnography Lab, da Universidade de Harward, que é um dos laboratórios de documentários mais importantes da última década. Para além disso existe uma competição entre vários filmes, alguns dos quais são mesmo estreias europeias, como “Tales of Two Who Dreament”, de Andrea Bussman, “Território” de Alexandre Cuesta, “Under the Sun”, de Vitaly Mansky, “Mimosas”, de Oliver Laxe, “The Host”, de Miranda Pennell, “Ama-San”, de Cláudia Varejão, “Ascent”, de Fiona Tan e outros, entre os quais “Tarrafal”, de Pedro Neves, em estreia mundial. Este último é uma viagem intensa ao passado e ao futuro do Bairro S. João de Deus, Porto, onde o realizador se encontra com as pessoas que habitam o bairro, num misto das práticas dos habitantes e do sopro de vida que contêm.

2.- Esta semana de filmes é mais um contributo que o porto/post/doc, a Câmara Municipal do Porto e os “Vinhos Verdes” querem transmitir à cidade com a luminosidade cinéfila, que tanto trás à cultura dos portuenses. A preocupação de ganhar novos públicos e as populações deste grande Porto é um objetivo da organização, que para tal desloca ao Porto alguns realizadores internacionais. O Fórum Real é um conjunto de três painéis em parceria com Escola das Artes, da Universidade Católica do Porto, onde se discute o “cinema sensorial”. Aliás, uma das integrantes do Júri Oficial é mesmo a Doutora Isabel Gil, reitora da Universidade Católica.

3.- Sessões especiais são realizadas sobre documentário da moda, com os filmes: “Casablancas l`homme qui aimait les femmes”, de Hubert Woroniecki, “Good Times, Wonderful Times”, de Lionel Rogosin, ou nas sessões de abertura e de encerramento com “Cinema Novo”, de Eryk Rocha e “Fonko” de Göran Hugo Olsson. Serão mais de cem eventos que estes prometedores jovens cineastas colocam no Porto, fazendo com que a baixa seja um manancial de bons filmes, que normalmente não são reproduzidos no cinema comercial. Muito bem a nossa cidade do Porto e o grande Porto serem servidos por esta panóplia de filmes, que vêm mais uma vez estrelar o Sol na dinâmica de uma cidade viva.

Joaquim Armindo
Doutorando de Ecologia e Saúde Ambiental