Victor Dias: Cristiano Ronaldo 4 – Joseph Blater 0

0
37

Antes de me pronunciar sobre o resultado do desencontro provocado pelo Presidente da FIFA, tenho de vos confessar que não entendo rigorosamente nada de futebol, embora goste que o FC Porto e a nossa selecção ganhem todos os jogos e, se possível, joguem bem, o que para mim quer dizer que os comentadores e donos da bola, digam que assim foi.

Já sobre a triste figurinha do Sr. Blater, tenho de reconhecer que o homem deu um prato cheio de boas razões, para que a tinta corresse nos principais jornais de todo o Mundo e tivesse até honras de abertura de telejornais.

O patrão da bola mundial é tão mal formado e ignorante que, sem se dar conta disso, conseguiu o genial feito de dar um pontapé de saída, naquela que é, porventura, a melhor campanha de marketing pessoal, em favor do CR7, uma marca de grande nível internacional que, com esta “palhaçada” protagonizada pelo Sr. Blater, ganhou de repente, um novo “elan”.

Por seu lado, Cristiano Ronaldo que é hoje uma estrela planetária do desporto, tem tido a sabedoria de não descer ao nível do Presidente da FIFA, que na verdade é muito baixinho e, como tal, não está à altura do cargo.

Ronaldo

FPF/Francisco Paraíso

Cristiano Ronaldo tem afirmado insistentemente, resistindo como pode, à pressão dos jornalistas, que a sua resposta é dada nos relvados, partilhando com humildade os seus sucessos, que normalmente apresenta como fruto do trabalho das equipas em que está envolvido e comprometido.

Por estes dias, tenho-me lembrado muito do meu saudoso pai que, perante certas adversidades da vida, me dizia sempre: – “…deixa que falem, guarda o teu silêncio e deixa que o teu trabalho fale por ti…”.

É claro que no futebol tudo é muito volátil, e num ápice se pode passar de “bestial” a “besta”. É um lugar comum, mas é verdade. O próprio CR7 já teve os seus momentos menos bons e, por isso, creio que é sensato guardarmos muito bem guardado na nossa memória colectiva, as alegrias que Cristiano nos tem dado, com a colaboração empenhada de todos os seus companheiros de trabalho, na selecção nacional. Digo isto, para que não caiamos na tentação fácil, de se alguma coisa não correr bem, nos apressarmos a pedir a cabeça do herói. Seria uma ingratidão e uma injustiça, pela simples razão de que o CR7, não é uma máquina ou um robot programável. Cristiano é uma pessoa, sensível às emoções, às fragilidades do físico e exposta às variáveis do ambiente que o envolve.

Para além de tudo o que acima analiso, há uma outra maldade que o Sr. Blater fez. E essa maldade não pretendendo ter como vítima Leonel Messi, acabou por beliscar a imagem do argentino que sendo também um jogador de categoria mundial ímpar, não poderá afirmar como Cristiano Ronaldo, o poderá fazer se quiser, que conquistou o título de melhor jogador do Mundo, mesmo contra a vontade e mau feitio do palhaço que manda na FIFA.

Messi também não merecia isto…

Em suma, tal como acontece em qualquer instituição de pendor democrático, a eternização no poder, é sempre perversa e acaba fatalmente por conduzir a abusos indignos e intoleráveis, como aquele que cometeu o Sr. Blater.

Digam lá se o homem não está mesmo a pedir um vermelho directo?…

Victor Dias