Associação dos Diabéticos deixa apelo à ministra da Saúde para que estes doentes não sejam esquecidos na segunda vaga

0
146
Saúde

 
No âmbito das notícias que estão a ser publicadas com as orientações da Ministra da Saúde, Marta Temido, para a possibilidade de suspensão da atividade assistencial não urgente nos hospitais do Serviço Nacional de Saúde (SNS), a Associação Protetora dos Diabéticos de Portugal (APDP) demonstra a sua profunda preocupação e defende que têm de existir formas de encontrar alternativas. A associação apela a que o Ministério da Saúde encontre soluções para que nenhuma pessoa com diabetes volte a ser esquecida. 

No despacho assinado anteontem pela Ministra da Saúde os hospitais do SNS receberam orientações que lhes permitem ativar os planos de contingência e suspender, durante o mês de novembro, “a atividade assistencial não urgente que, pela natureza ou prioridade clínica, não implique risco de vida para os utentes, limitação do seu prognóstico e/ou limitação de acesso a tratamentos periódicos ou de vigilância”.

Face a esta decisão, José Manuel Boavida, presidente da APDP, declara que “as associações podem apoiar as pessoas com diabetes e ajudar na sua orientação e melhor controlo. O acompanhamento, em fase de pandemia, é e sempre será um desafio, por isso a Ministra da Saúde pode contar connosco”.

A associação sublinha que em tempo de pandemia é necessário implementar estratégias sensatas e objetivas que protejam as pessoas com doenças crónicas e que, mais uma vez, o SNS não pode voltar a ficar refém da COVID-19.

“A pandemia do novo coronavírus exige novas soluções para conseguirmos manter um acompanhamento regular de todas as pessoas, muitas vezes pertencentes a grupos de risco. E é aqui, conforme temos vindo a defender desde o início, que entra o papel das associações, temos de ser elementos ativos” reforça José Manuel Boavida.

José Manuel Boavida exemplifica, referindo que “durante a primeira vaga da COVID-19, a APDP disponibilizou a Linha de Apoio à Diabetes (21 381 61 61), que atualmente funciona das 9h00 às 17h00, incluindo fins de semana e feriados”, e assegura que a APDP tem capacidade para triar e orientar as diferentes situações ligadas à diabetes.

O presidente da APDP defende ainda a criação de comissões entres as Administrações Regionais de Saúde (ARS), os diretores de serviços dedicados à diabetes, a APDP e a Sociedade Portuguesa de Diabetologia (SPD), para a criação de locais específicos de diabetes, com linhas telefónicas dedicadas.