Descoberto fóssil de nova planta em S. Pedro da Cova

0
188

Uma equipa de investigadores descobriu um fóssil de um novo grupo de plantas em S. Pedro da Cova, Gondomar, em rochas com 300 milhões de anos.

Batizado de “Iberisetum wegeneri”, o fóssil representa um novo género e uma nova espécie de um grupo extinto de plantas. O achado está agora guardado no Museu de História Natural e da Ciência da Universidade do Porto.

“Trata-se de uma espécie (…) que foi abundante no final do Paleozóico e Mesozóico”, explica Pedro Correia, paleontólogo e investigador do Instituto das Ciências da Terra da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto, numa notícia publicada esta semana numa revista britânica, a “Historical Biology”, onde é dado conta da descoberta da sua equipa de investigadores.

E foi na Bacia Carbonífera do Douro, mais concretamente na zona de São Pedro da Cova, mesmo junto às escombreiras das antigas minas de carvão que, “dada as características do clima e do meio ambiente que favorecem espécies endémicas” que este género existiu há 300 milhões de anos.

Pedro Correia diz mesmo que a Bacia do Douro “é favorável e muito interessante à investigação nas áreas da paleontologia e da paleobotânica”. Em S. Pedro da Cova a equipa já tinha encontrado a primeira aranha fóssil descoberta em Portugal.

A Bacia do Douro continua a despertar a atenção dos investigadores, até porque já não era estudada desde a década de 1940, e o mesmo acontece com outras regiões do país. Neste momento, a equipa está à espera dos resultados de uma candidatura ao Fundo para Ciência e a Tecnologia e assim encontrar financiamento para trabalhos de investigação na mesma área nas zonas de Santa Suzana, no Alentejo, e no Buçaco.