Oficina da Regueifa e do Biscoito de Valongo já abriu

0
131
imagem cm-valongo.pt

A Oficina da Regueifa e do Biscoito de Valongo (ORBV) abriu ao público no Dia de Reis, para dar a conhecer uma das logomarcas mais características de Valongo e contar a história secular da indústria da panificação na região.

Com o objetivo de garantir a segurança de todos, apenas é permitida a presença de cinco visitantes em simultâneo. Por essa razão, todas as visitas são guiadas por um colaborador, sendo obrigatório o seu agendamento prévio.

As marcações devem ser feitas através do 222 400 014 ou visitas.orbv@cm-valongo.pt. Nesta fase inicial, e tendo em conta a atual situação pandémica, a visita ao espaço vai ser gratuita.

Terminado este período, a taxa de visitação é de 4€ para adultos, de 3€ para jovens (13-17 anos) e de 2€ para crianças (6-12 anos). Há ainda packs para grupos a 3€ por pessoa ou para famílias a 7€ no total.

Localizado no Largo do Centenário, trata-se de um moderno espaço cultural com 510 m² de área expositiva, onde o visitante pode contar com uma área audiovisual 3D, integrada na exposição “Do Grão ao Pão”; e uma outra área mais interativa, com jogos, dedicada ao fabrico do biscoito de Valongo.

No Espaço Mãos Na Massa, miúdos e graúdos poderão experienciar o processo de fabrico do biscoito.

Este equipamento cultural resulta da reabilitação do edifício, até então devoluto, do Quartel dos Bombeiros Voluntários de Valongo e do Teatro Oliveira Zina, cuja construção remonta pelo menos, a 1907.

A obra, que contou com o financiamento do programa comunitário Norte 2020, implicou um investimento global de 3.072.224 milhões de euros, incluindo a aquisição do edifício.

“Este espaço moderno de cultura viva, além do estímulo à regeneração urbana, irá projetar a força de um invulgar património ligado à panificação”, salienta José Manuel Ribeiro, presidente da Câmara Municipal de Valongo.