PS concorda com “alívio” no Natal mas apela a encontros “responsáveis e limitados”

0
145
imagem LUSA

O secretário-geral adjunto do PS afirmou esta quinta-feira que “há uma perspetiva de alívio” de algumas das restrições impostas pela pandemia de covid-19 no Natal, como a circulação entre concelhos, mas apelou a encontros familiares “muito responsáveis e limitados”.

Após ter sido recebido em audiência pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, que esteve ontem a ouvir os nove partidos com assento parlamentar sobre a renovação do estado de emergência, José Luís Carneiro disse ainda que o PS apoiará novamente esta sexta-feira, no parlamento, a renovação do estado de emergência.

Questionado sobre as medidas que poderão vir a ser adotadas pelo Governo para a época festiva, o dirigente socialista fez questão de distinguir entre o Natal e o Ano Novo.

“Há uma perspetiva de alívio de algumas das medidas no período entre a véspera de Natal e o dia posterior ao Natal, permitindo que as famílias possam encontrar-se, mas esses encontros têm de ser muito responsáveis e muito limitados”, apelou, salientando que “é do contacto que nasce e se desenvolve o contágio”.

José Luís Carneiro acrescentou que “o mais relevante” desse alívio, na perspetiva do PS, será “permitir a circulação entre municípios”.

“Na passagem do ano, há fatores de risco mais acentuados. Temos a compreensão que a flexibilidade que se dá no Natal possa ser limitada na passagem do ano”, disse.

O PS transmitiu ainda ao Presidente da República “o seu apoio” à nova renovação do estado de emergência.

“Trata-se, no fundo, de o parlamento dar condições ao Governo para que possa aplicar as medidas consideradas indispensáveis para continuarmos a conhecer resultados como os que temos tido”, defendeu.

José Luís Carneiro, que esteve em Belém acompanhado pela líder parlamentar do PS Ana Catarina Mendes, fez questão de transmitir “uma palavra de reconhecimento” aos profissionais de saúde e cientistas, pelas notícias encorajadoras sobre o arranque da vacinação já em janeiro.