Opinião de Sandra Vasconcelos Lameiras: Um novo ciclo…

1
951

No passado dia 10 de Abril foi legitimamente eleita uma nova comissão política concelhia do PS Maia, com este acto, iniciou-se assim um novo ciclo político na vida interna do partido.
Num partido organizado a nível Concelhio as suas estruturas têm como objectivo principal o delinear de uma estratégia autárquica que permita, por um lado, construir um projecto de alternativa democrática e por outro, escolher uma equipa que lhe dê rosto, em quem os eleitores confiem o seu voto, daí que seja lógico assumir que em 2009 se encerrou um ciclo político.

O passado recente tem entristecido profundamente os militantes que verdadeiramente defendem os valores do socialismo democrático na Maia. O último combate autárquico deixou marcas profundas de divisão interna que urgem sanar, o novo secretariado concelhio tem a obrigação de potenciar uma aproximação de ideias, de projectos, que possibilitem organizar um partido forte, coeso, sendo certo que o que une os militantes é muito mais forte do que aquilo que os separa. Motivar todos aqueles que exercem funções autárquicas em representação do PS, envolver a Juventude Socialista, ouvir todos aqueles que pertencem a órgãos Distritais e Nacionais e respeitar aqueles que fazem parte da memória do PS Maia, reveste-se de uma importância ímpar neste momento, para que seja possível criar uma equipa coesa, dinâmica e fraterna. Sabemos que é tarefa árdua, mas possível. Haja tolerância e espírito de equipa de parte a parte.

É urgente criar as bases que permitam ir construindo pontes para com a sociedade civil da Maia, para que se estabeleçam os canais de comunicação com as associações, empresas, escolas, colectividades, clubes, enfim com as forças vivas do Concelho. Os últimos resultados autárquicos demonstraram cabalmente que há um longo caminho a percorrer, o PS tem de levar a cabo um trabalho minucioso, bem organizado, com um planeamento rigoroso para que os Maiatos confiem nos seus líderes. Há que transmitir confiança e determinação aos cidadãos, demonstrar porque somos uma alternativa credível, que projectos defendemos. Porque há uma coisa que todos sabemos: mais tarde ou mais cedo o PS será alternativa ao PSD na liderança da Câmara Municipal da Maia, está nas mãos dos militantes do PS encurtar o hiato de tempo para que se concretize essa mudança.

Pertenço a esta grande família socialista há cerca de 15 anos, conheci na Maia cidadãos, camaradas, muitos deles hoje meus amigos, com características humanas e capacidade de intervenção política elevadas, alguns afastaram-se desiludidos, uns partiram já deste mundo e outros, felizmente ainda muitos, continuam com a sua perseverança a lutar no seu dia-a-dia por um partido melhor, mais fraterno e solidário.
Como militantes responsáveis que somos cabe a cada um disponibilizar-se para contribuirmos para a reconstrução do PS Maia que todos queremos, porque juntos ainda somos poucos, mas seguramente seremos mais fortes.

Militante do PS Maia

1 COMENTÁRIO

  1. O presente artigo reveste-se de grande utopia. O PS na Maia vive mergulhado num drama eternum. Os quadros são frágeis, dado o reinado do PSD as pessoas optam por quem está no poder (é mais seguro os dividendos, as guerras de poder hipotético são sempre coloridas e as opções demonstram desconhecimento do ciclo do Concelho em espaço de Cidade-Região, e revelam uma enorme dificuldade de articulação e desenho de propostas inovadoras. O PS terá imensas dificuldades de chegar ao comando do Concelho porque a visão é curta, o partido é fechado e o medo da concorrência deita por terra qualquer assunção de projecto global com a adesão de pessoas. Contudo, e para alguns, lá vai servindo de rampas de lançamento para voos bem simpáticos e generosos.

Comments are closed.