Uma semana em cheio

0
355
- Publicidade -

1.- Não foi só a abertura dos Jogos Olímpicos ou mais uma vitória da seleção portuguesa contra a Argentina. Mas sim uma “semana em cheio” – como se diz cá para Norte – uma série de acontecimentos quase inesperados, nesta época de verão. A questão dos três secretários de estado é grave, não sei se é ilegal, mas é grave, deveriam já se ter demitido. Assim como os deputados do PSD ou a Dr.ª Assunção Cristas, que teve também o bilhete de ingresso pago. São uma e a mesma coisa, uma questão de conduta e ética. Estas questões de estabelecer normas para que quaisquer dirigentes possam saber o que podem receber ou não, são de primordial importância. Durante anos tentei a aprovação de uma norma deste tipo na organização onde trabalhei, não consegui; creio bem que se devem estabelecer normas rígidas, para as “ofertas”. Se se pode ou não receber um calendário do ano, depende do seu custo. Se se pode ou não almoçar e ele ser pago por uma parte interessada, depende do seu custo. A minha simples opinião é que as ofertas acima, só podem redundar em demissões: dos secretários de estado, dos deputados do PSD e da Presidente do CDS.

2.- Não percebi, ainda, aquela questão da “casa estar ao sol”, pagar um IMI mais caro. Por exemplo a minha casa, tem sol do lado direito durante a manhã e parte da tarde e sol na frente a partir do fim da tarde, por isso irei pagar mais IMI? Quando chove, irei pagar menos IMI? Quando passam no passeio – pago a minhas custas –, posso cobrar taxa de passagem? Porque, agora, quase “ao fim do jogo”, é que sou informado disso? Pensei mesmo que esta história deve estar mal contada, porque tanta coisa que se poderia pagar, por exemplo a quantidade em m3 de ar que é consumido dentro de casa ou mesmo o desgaste do alcatrão que está na rua por onde passo com o carro. Já agora, poderei cobrar uma taxa de passagem dos lençóis freáticos que fluem por debaixo da minha casa? Que culpa tenho eu de não existir um cemitério junto de casa? Não, não, não podemos ir por aqui!

3.- Para acabar a semana: 442 carros foram incendiados por “uma beata” – quer dizer por uma ponta de cigarro -, e as pessoas donas dos carros? Porventura podem existir viaturas ainda a ser pagas aos bancos, e agora? Como é dos seguros? A organização do festival falhou, a inspeção local falhou, o atirador da “beata” falhou, as licenças falharam, e agora será que o seguro vai falhar? Estamos a verificar porque este fim-de-semana está mesmo quente, foram todos os dias a aquecer…Desculpem as minhas leitoras e os meus leitores informar que também falhou a Autoridade Tributária e Aduaneira, que até hoje nada disse sobre o meu IRS. Tenho a receber!

Joaquim Armindo
Doutorando em Ecologia e Saúde Ambiental

- Publicidade -