Maia assinala dia mundial da saúde com acção anti-tabágica (áudio)

Para assinalar o Dia Mundial da Saúde, a Câmara Municipal da Maia, em parceria com a Universidade Fernando Pessoa, realizou esta quinta-feira, um rastreio ao monóxido de carbono aos funcionários, colaboradores e munícipes que passassem pela Torre Lidador.

Sendo o tabagismo um dos factores de risco para a doença pulmonar e cardiovascular, entendeu a autarquia alertar para os riscos associados ao hábito e sensibilizar as pessoas para que deixem de fumar porque é um dos problemas da actualidade e porque o tabaco “faz milhares de mortes por ano e temos milhões de doenças crónicas graves, para além dos enfartes, há muitas outras associadas”, explicou Nair Rocha, responsável pelo gabinete de saúde da edilidade maiata.

[audio:TABACO1.mp3]

Apesar dos fumadores terem conhecimento dos riscos que correm, José Teixeira, docente da Universidade Fernando Pessoa, afirma que o primeiro passo para deixar de fumar tem que partir sempre da própria pessoa. “Como qualquer tipo de consumo aditivo, seja álcool, café, outra substância psicoactiva, o primeiro passo tem de ser do sujeito, é ele assumir que realmente aquilo está a ter consequências efectivas no seu dia-a-dia, quer individualmente, quer com a família e amigos, toda a sua rede social”, sublinha.

[audio:TABACO2.mp3]

Os dados apontam para 650 mil mortes por ano na União Europeia e 13 milhões de situações de doença crónica grave. Já de acordo com a Fundação Portuguesa do Pulmão as doenças respiratórias atingem quatro milhões de portugueses e vão ser, brevemente, a terceira causa de morte no mundo.