,

Autarca da Maia pede licenciamento industrial mais ágil para que investidores não fujam para outras paragens

O presidente da Câmara da Maia, Silva Tiago, afirma que o processo de licenciamento industrial é muito penoso para os investidores.
É preciso agilizar os processos, dependentes da administração central. O autarca diz que compreende as aflições dos empreendedores que querem investir, muitos deles, no concelho da Maia.

Silva Tiago explica que o “licenciamento industrial é feito pela Direção Geral de Energia e Geologia (DGEC), sendo que aquilo que as Câmaras fazem é o licenciamento urbanístico. Muitas das vezes, chegam-nos queixas ou reclamações de que esse licenciamento industrial não chega no tempo que as empresas desejavam”.

Portanto, sublinha, “aquilo que acho que todos devemos fazer é puxar por essa vertente e agilizar os procedimentos, sem cometer erros, obviamente”.

O autarca maiato mostra-se preocupado, porque, justifica, “temos milhares de empresas instaladas no concelho e, todas as semanas, nos surgem novas oportunidades de instalação. E são essas as preocupações que os investidores nos fazem chegar”.

Saint-Gobain quer investir na Maia

Ainda há dias, revelou o presidente da Câmara, esteve reunido com responsáveis da empresa Saint-Gobain e espera que, “dentro de pouco tempo, seja instalada na Maia uma nova unidade do grupo internacional belga”.

Silva Tiago referiu que se prevê “um investimento na Maia de alta qualidade técnica. É uma empresa que produz vidro e outros equipamentos ligados à indústria vidreira. Espero que se instalem dentro de pouco tempo aqui na Maia, com novos postos de trabalho, mas deixaram essa reclamação, de facto, quanto à demora nos licenciamentos industriais”.

Perante a procura do território por parte de empresas investidoras, Silva Tiago coloca-se na posição desses empresários e diz que compreende que têm que passar por processos muito difíceis.

O autarca deixa o alerta à entidade responsável, a DGEC, para o risco de os investidores fugirem para outras paragens.