CDS da Maia reuniu com PSP e abordou onda de assaltos

0
277
- Publicidade -

Na última semana, o CDS Maia manteve uma reunião com a Divisão da Maia da Polícia de Segurança Pública, nas suas instalações de Águas Santas.

O motivo principal foi a onda de assaltos, maioritariamente motorizado, que tem assolado o concelho nos últimos meses, mas o encontro permitiu ainda conhecer mais a fundo a realidade desta força de segurança e os resultados da sua operação.

A comitiva do CDS Maia, acompanhada pelo Presidente da Distrital do Porto do CDS e deputado à Assembleia da República, Álvaro Castelo Branco, foi recebida pelo Comandante António Almeida.

Após uma breve apresentação institucional, foram analisados alguns números, através dos quais foi possível constatar que, na Maia, o furto em residências, edifícios comerciais ou industriais, tem caído substancialmente desde 2010. Já o furto motorizado, segundo números de 2016, também tem recuado, mas de forma menos expressiva. Sendo um dos maiores concelhos da Área Metropolitana do Porto, a Maia consegue registar menos ocorrências do que municípios como Matosinhos e Gondomar.

Manuel Oliveira, Presidente do CDS Maia, começou por elogiar o papel das forças de segurança na manutenção do estado de direito, que é, “a par da justiça e da defesa, um dos três pilares fundamentais de uma sociedade livre”.

Ainda nas suas palavras, “era importante para o CDS Maia perceber até que ponto é que a recente onda de alarmismo no concelho, pelo furto de viaturas, corresponde, de facto, a uma real deterioração da segurança promovida pelas forças policiais e, por isso, ficámos todos mais aliviados por perceber, junto de quem domina o tema, que não é bem assim. Há um conjunto de práticas recentes já identificadas e que estão a ser investigadas, mas que de todo traduzem uma degradação no clima de segurança no nosso concelho.”

- Publicidade -