Convenção nacional autárquica do PSD realizou-se na Maia

0
210
- Publicidade -

A Maia foi o município escolhido pela direção nacional do Partido Social Democrata para rececionar a Convenção Autárquica Nacional e marcar o arranque da pré-campanha autárquica do PSD.

A Convenção Autárquica decorreu no último dia 27 de maio, no Fórum, onde marcou presença o presidente do partido, Pedro Passos Coelho, e muitos candidatos autárquicos do país.

A Maia contou com três intervenções: António Silva Tiago, candidato a presidente da Câmara Municipal, a quem coube o discurso de abertura da convenção; Bragança Fernandes, candidato à presidência da Assembleia Municipal e líder da Distrital do Porto; Olga Freire, recandidata a presidente da Junta de Freguesia da Cidade da Maia. 

Os sucessivos resultados eleitorais do PSD Maia levam o partido a olhar cada vez mais para a Maia como uma concelhia de grande importância no poder local.

No discurso de abertura, António Silva Tiago agradeceu a escolha da Maia para receber a Convenção do PSD e lembrou Bragança Fernandes como “uma referência regional e nacional, enquanto autarca de eleição”, realçando  as “qualidades essenciais que lhe conferiram três maiorias absolutas e muito, mesmo muito, confortáveis, que lhe permitiram governar os destinos do nosso município, com a serenidade e com  estabilidade social e política.”

“Políticas autárquicas de excelência”

O atual vice presidente da Câmara da Maia sublinhou que no município estão “satisfeitas praticamente todas as necessidades básicas e garantidos os serviços públicos fundamentais, através do desenvolvimento de políticas autárquicas de excelência”, o que coloca a Maia num patamar cimeiro dos municípios portugueses. Garantiu ainda que o PSD na Maia continuará a ser merecedor da confiança dos maiatos porque se apresentará a estas eleições autárquicas colocando a Maia em Primeiro.

“Escuta atenta das pessoas”

António Tiago acrescentou que os tempos em que vivemos carecem, além de “competência e muito trabalho”, de uma “escuta atenta das pessoas para compreender as suas necessidades, os seus anseios, as suas expetativas e, não raras vezes, os seus sonhos pessoais e familiares”.

E prosseguiu, confidenciando que, “nas incontáveis horas que tenho estado com as pessoas nesta comunidade concelhia, ouvindo-as e escutando os seus desabafos de alma, tenho consolidado o meu pensamento, de que compete à autarquia assegurar”, agora, “as suas necessidades de outra ordem, que não se consubstanciam apenas em bens e serviços de natureza material”.

Este novo patamar de qualidade de vida, frisou, requer “a máxima reflexão e a adoção de uma abordagem política que tenha em devida consideração esta realidade”.

Freguesias com “maior autonomia”

Olga Freire, recandidata a presidente da Junta de Freguesia da Cidade da Maia, defendeu que, sendo “os autarcas de freguesia os mais próximos da população, os que melhor conhecem as necessidades das suas gentes”, torna-se urgente “dotar as freguesias de maior autonomia, de competências necessárias e diferenciadas, em função das caraterísticas de cada uma, respeitando a sua singularidade e identidade”.

Sobre a transferência de competências dos municípios para as freguesias, a autarca questionou ainda se a transferência de competências dos municípios para as freguesias, “deve exigir a aprovação dos respetivos órgãos deliberativos”, dado que essa situação pode “contribuir para tentar impedir a governação da freguesia, lesando diretamente a população durante um ciclo de quatro anos.”

E porque outubro não tarda, importa que quem se candidata recorde as palavras de Bragança Fernandes: “o sucesso sempre se construiu assente na união. Sabemos que não há eleições ganhas à partida, nem perdidas antes de serem disputadas”.

- Publicidade -