Francisco Vieira de Carvalho quer uma “grande e pujante Maia”

0
506
Francisco Vieira de Carvalho
Francisco Vieira de Carvalho
- Publicidade -

Francisco Vieira de Carvalho tem 45 anos, é casado e tem dois filhos (de 12 e 16 anos). Candidata-se à presidência da Câmara da Maia pela coligação “Um novo começo” (PS/JPP) não renegando a sua ascendência carismática.

Na apresentação da candidatura referiu “sou o filho, de facto…” de José Vieira de Carvalho. Para a Maia quer “pujança” e bem-estar para os maiatos.

Considera que há condições para o PS/JPP conquistar a Câmara Municipal da Maia com maioria?

A Candidatura “Um Novo Começo” está no “terreno” todos os dias, em contacto permanente com as pessoas, ouvindo as suas necessidades, as suas expetativas e os seus anseios.

É uma dinâmica muito interessante, porque tem permitido construir, novamente, na Maia, relações de seriedade e confiança. As pessoas estão cansadas de não serem ouvidas de facto e estão cansadas de assistirem a uma política autárquica assente na miopia de quem vê o concelho do “alto da torre”.

Nas associações, colectividades, nas escolas, na rua, tenho sentido cada vez mais apoio. Apoio de pessoas que, independentemente, das suas tendências partidárias sentem que é necessário um novo começo para a Maia e que, como se pode verificar, estão refletidos nos estudos de intenção de voto que se tem vindo a efetuar, bem como nas sondagens de empresas especializadas, como é o caso da Intercampos, que nos indicam uma vitória muito expressiva, por via, evidentemente, da maioria dos votos.

Entende que há condições para uma coligação de esquerda mais alargada, do género geringonça, caso se torne necessário para ter maioria no executivo e poder governar de forma mais cómoda?

O que mais me motiva é a possibilidade de trabalhar em prol das pessoas e, naturalmente, do bem comum. Acredito que o nosso projeto é, de facto, o melhor e que os eleitores permitirão a sua implementação através de uma previsível maioria absoluta.

Não sou uma pessoa autocrática e, por uma questão de princípio, gosto de gerar consensos, pelo que, quando assumir funções de presidente da Câmara, pretendo envolver todos os munícipes e intervenientes na vida política da Maia, de todas as áreas políticas, num grande diálogo que enriqueça as respostas da Câmara às necessidades das pessoas. Após o dia 1 de outubro conto com todos, para juntos construirmos uma grande e pujante Maia.

Como vai gerir a relação com as freguesias?

As freguesias são um dos nossos grandes pilares, pois serão elas as protagonistas de “Um novo começo” e terão da Câmara um enorme e revolucionário apoio. Como já afirmei, é fundamental dotar estes órgãos autárquicos de ferramentas que lhes permitam uma gestão mais autónoma.

Para o efeito, serão transferidas verbas quatro vezes superiores às atuais, passando, assim, a dispor de mais meios humanos, financeiros e também de novas competências. Trata-se de uma grande reforma administrativa, que descentralizará o poder local.

As freguesias vão deixar de andar de mão estendida junto à Câmara e vão ganhar autonomia, respeito e vão poder, finalmente, dar respostas prontas às necessidades que afetam os cidadãos no seu quotidiano. As reuniões de Câmara serão uma vez por mês numa junta de freguesia (rotativamente).

O Orçamento participativo também será um fator de proximidade, pois um milhão de euros por ano será investido nas necessidades que a população eleger.

Quais as principais medidas que defende para o concelho da Maia em áreas como desenvolvimento económico e apoio/coesão social?

Defendo uma sociedade equitativa e que deveremos criar condições para que todos possam viver com dignidade.

Há semelhança de muitas cidades desenvolvidas, iremos criar uma Agência de Desenvolvimento e Investimento para atrair empresas de referência a nível mundial, socialmente e ecologicamente responsáveis, com o objetivo de criar novos empregos de elevado valor, para fixarmos os jovens maiatos com altas qualificações, bem como para permitir aos que emigraram regressar e, bem assim, terem um novo começo na nossa terra.

Neste sentido, e no sentido da renovação e modernização dos parques empresariais, desenvolveremos uma política fiscal dinâmica, nomeadamente no que diz respeito à derrama e às taxas urbanísticas.

Em relação à responsabilidade social da autarquia, percebi, durante as visitas às escolas, que há muitas crianças do concelho que a única refeição quente do dia que têm é a da escola, pelo que, respondendo a esta necessidade, bem como indo de encontro aos objetivos da Organização Mundial de Saúde, é necessário assegurar uma alimentação equilibrada para todos os jovens em idade escolar, pelo que iremos proporcionar-lhes, gratuitamente, pequeno-almoço, almoço e lanche.

Vamos implementar o projeto “estamos juntos”, que será um apoio domiciliário multisserviços para todos os idosos e portadores de deficiências. Na saúde, iremos alargar o horário de funcionamento do SASU até às 24 horas e todos os dias.

O líder da coligação “Um novo começo” anuncia também diversas medidas no âmbito do Urbanismo, outra área em destaque no seu programa eleitoral…

O projeto “A minha Maia, o meu bairro” irá reinventar os espaços centrais de cada zona com as ideias das pessoas.

O projeto “A minha Maia, a minha escola” irá envolver as crianças e os pais na reformulação e na adaptação das escolas, para uma melhor aprendizagem e uma melhor utilização do espaço.

A criação de um grande Parque Urbano com 50 hectares no centro da cidade será um fator de coesão da comunidade. Os impostos estão também na nossa prioridade e podemos anunciar um imenso apoio a todos os maiatos, com um desconto de 50% na fatura da água doméstica até aos 5.000 L, o que será uma grande poupança para todos.

… E no que respeita a Habitação e Transportes?

O problema da Habitação Social tem que ser resolvido de vez, pois já tem um atraso de pelo menos 10 anos e, para isso, contamos com um forte investimento imediato na reconversão e restauro de todos os edifícios.

Os maiatos não podem continuar a viver em condições sub-humanas e a pagar as suas rendas enquanto a Câmara, dona dos edifícios, não faz o que lhe compete. Quanto aos transportes, iremos defender com todas as nossas forças a remoção dos pórticos da A41 na zona central da Maia, bem como defender a Linha de Metro entre o Hospital de S. João e o centro da Maia. Vamos criar 4 interfaces de transporte para Metro, Autocarro e modos suaves.

Criaremos uma rede de transportes na hora e será lançada uma nova rede de transportes que vai ligar todas as freguesias entre si e estas a outras, criando sinergias com a rede de transportes escolares, para que todas as escolas fiquem servidas de transporte público.

Por fim, está prevista a criação de 50 Km de ciclovias e vamos recuperar e pavimentar 100 Km de estradas, ruas e passeios.

… E quanto à Educação e Cultura?

Na Educação iremos fazer a nossa grande aposta, ao oferecer uma grande parte dos cadernos e manuais escolares, desde o 1º ciclo ao Secundário.

Trata-se de um grande investimento, mas também de uma grande aposta de um futuro melhor para os nossos meninos e ajudando os pais neste grande esforço que é educar. Iremos reestruturar a rede de transportes escolares, dando-lhe maior abrangência.

Vai ser concedido um maior apoio ao aluno e às famílias dos meninos com necessidades educativas especiais. A oferta das refeições, como já referi, será outra das realidades.

Apostaremos na valorização e diversificação das atividades extracurriculares, para que os nossos meninos possam sair da escola e ver o mundo que os rodeia, com atividades inovadores e dinâmicas, apostaremos ainda nas férias desportivas e culturais e na oferta da música e atividades artísticas desde os 3 anos. O Conservatório de música tem que estar no dia a dia da escola.

O Desporto vai merecer uma atenção muito especial do seu Executivo?

O Desporto terá mais e melhor apoio, com novos equipamentos e a reformulação dos já existentes, com vista à formação de novos jovens desportistas, e também aqui a função da escola será fundamental.

A criação de grandes eventos desportivos e culturais será uma nova aposta, onde a excelência será uma realidade. Festivais de música clássica e pop de 3 dias cada um, com grandes artistas que elevem a Maia como um destino de cultura.

Vamos ter de novo grandes eventos de desporto, como um grande torneio de ténis, de futebol e também de outras modalidades, para que voltem a chamar à Maia a capital do Desporto.

PERFIL

Francisco V. Carvalho

.Natural e residente na Maia.
.Gestor e Consultor Financeiro;
.Licenciado em Gestão de Recursos Humanos, com Tese sobre Liderança; Pós-Graduação em avaliação imobiliária CMVM; MBA – Executive Master in Business Administracion; Mestre em Gestão de Negócios, com Tese sobre Inovação; Doutorando em Ciências Empresariais pela Universidade de Madrid.

.Passatempos: Leitura, cinema, passeios históricos, pratica ténis e padel. E está a dar os primeiros passos para ser agricultor.

- Publicidade -