“Futuro da mobilidade elétrica começa aqui hoje” – afirmou Isabel dos Santos na Efacec Maia

0
534
Efacec (imagem de arquivo)
- Publicidade -

A angolana, Isabel dos Santos, destacou hoje Portugal como um “país de inovação”, durante a cerimónia de inauguração da nova unidade de mobilidade elétrica da Efacec.

Na cerimónia o presidente da Câmara da Maia foi convidado a intervir, tendo-se mostrado muito satisfeito com um projeto da Efacec, numa altura em que a Câmara da Maia foi distinguido pelo júri de análise das candidaturas dos projetos “Living Labs” com a “segunda melhor pontuação” das propostas a concurso.

António Silva Tiago lembrou que o município tem vindo a concretizar um conjunto de medidas, que visam fazer com que a Maia seja o primeiro território concelhio com balanço de carbono zero.

“Rumo à prossecução deste desígnio estratégico, está a criação do laboratório vivo para a descarbonização, um projeto que contempla medidas específicas para a mobilidade elétrica, nomeadamente a instalação de postos de carregamento, tarifas de estacionamento reduzidas ou nulas para veículos elétricos, entre outros incentivos. Um investimento que ultrapassará um milhão de euros”, afirmou o autarca maiato.

Isabel dos Santos, que é a acionista maioritária da unidade situada nas Guardeiras, Maia, sublinhou que, “para alguns, Portugal é apenas conhecido pelo seu excelente Turismo e Agricultura, mas Portugal é muito mais, Portugal é um país de inovação. Os talentos portugueses são, hoje, formados e treinados em universidades portuguesas, que se encontram entre as melhores do mundo, e muitos vão daqui para Silicon Valley e outros centros de pesquisa e desenvolvimento”.

De acordo com Isabel dos Santos, é “graças a esse talento”, que “Portugal é líder mundial num dos setores mais sofisticados e que ditará uma nova forma de encarar o consumo de energia – a produção de carregadores rápidos e ultra rápidos para veículos elétricos”.

O ministro da economia, Manuel Caldeira Cabral, destacou que esta aposta da Efacec é um exemplo da capacidade do país captar novos investimentos.

Assim, deu os “parabéns a esta empresa pelo investimento que vai criar 400 postos de trabalho e que vai certamente contribuir para o aumento das exportações no setor industrial e de produtos de engenharia, maquinaria, produtos metálicos e de eletrónica, que está já a crescer muito bem e que teve em 2017 um crescimento perto dos 15%”. São números, que frisa o ministro, demonstram que Portugal está a crescer “não apenas no Turismo, mas também na indústria, e em particular, nas indústrias com uma forte componente de engenharia”.

Angélica Santos

- Publicidade -