João Torres é candidato à Federação Distrital da JS Porto

0
166

Depois de ter liderado a Juventude Socialista no núcleo de Gueifães e na concelhia da Maia, João Torres entende que chegou a hora de rumar à Federação Distrital da JS do Porto. A sua candidatura à federação, cuja convenção está marcada para os dias 30 e 31 deste mês, em Santo Tirso, surge em primeiro lugar de uma vontade pessoal que considera “legítima” mas também, “e sobretudo”, de uma vontade dos principais dirigentes da JS no distrito do Porto. “Entenderam que a pessoa mais bem colocada para dar continuidade ao trabalho que foi realizado nos últimos dois anos seria eu”. “Já ocupei um vasto conjunto de responsabilidades na JS que entendo que me conferem a capacidade necessária para continuar o trabalho da Federação mudando aquilo que está mal e melhorando o que está bem”.

É com base nessas vontades reunidas que João Torres encabeça a moção “Confiança no Futuro”. E tudo indica que vai ser eleito. Para já, é o único candidato conhecido e deverá contar com o apoio das 18 concelhias do distrito do Porto. De qualquer forma, no passado fim-de-semana, decorreram as eleições para os delegados ao congresso e a comissão organizadora ainda está a receber os processos eleitorais.

João Torres reconhece que a Federação Distrital, há cerca de dois anos e meio, tinha muitos problemas de organização, que foram melhorando. “Dos 18 concelhos só em aproximadamente metade é que a JS tinha órgãos eleitos nas estruturas concelhias e ao longo destes dois anos foi possível fazer emergir um conjunto de dirigentes que deram uma nova dinâmica ao trabalho da JS nas suas concelhias”, justifica.

Neste momento, ainda existem alguns concelhos onde a JS tem dificuldades de trabalhar no terreno. Por isso, o que estará “menos bem” é a implantação da JS em alguns concelhos do distrito. Se “merecer a confiança dos militantes” e for eleito, João Torres garante que tem condições para, no espaço de seis meses, mudar essa situação. Será um feito a conseguir, “pela primeira vez em muitos anos”, garante o candidato. Apesar disso, reconhece que a Federação fez um trabalho “notável” neste domínio.

A moção a apresentar no congresso ainda está a ser trabalhada, no entanto, João Torres apresentou aquelas que são as linhas gerais. Em primeiro lugar, afirma, vai defender de forma “intransigente” a regionalização. Será uma das bandeiras da candidatura. “É importante que seja dada uma direcção clara e um sentido à discussão da regionalização. E aquilo que me preocupa a mim e aos militantes da JS é que muitas vezes as pessoas se refiram à regionalização como solução para todos os problemas do país e em particular da região norte sem fazer uma reflexão clara sobre os aspectos mais positivos e os aspectos menos positivos da implementação de regiões administrativas”, justifica.

A candidatura considera também importante, do ponto de vista do discurso político, afirmar o Distrito do Porto e a região Norte do país como “o centro nevrálgico do noroeste peninsular. Torres está convencido que “a melhor forma de o Porto se servir a si próprio, mais e melhor se desenvolver e de mais e melhor ajudar o desenvolvimento de Portugal é afirmando-se como a Capital intelectual, científica e cultural do Noroeste Peninsular”, sublinha.

Em terceiro lugar, João Torres elege a formação política que “preocupa todas as estruturas partidárias”. Pretende criar um plano de formação política e autárquica que não se restringe ao ano das eleições autárquicas e que permita melhor preparar os militantes da JS para integrarem as listas do PS.

Importante será também, ressalva, a ligação ao ensino superior. Não pretende instrumentalizar as associações de estudantes, no entanto, considera que a JS tem “obrigação de ter estruturas organizadas no ensino superior”. A ideia é criar núcleos de estudantes socialistas nas principais faculdades e instituições de ensino do distrito. “E há condições para, a curto prazo, formalizarmos núcleos de estudantes com particularidades especiais relativamente aos núcleos de residência”, adianta. O objectivo é ter uma melhor percepção das dificuldades dos estudantes. “É uma obrigação da JS”.

Estas são as principais linhas da Moção Global de Estratégia, mas João Torres quer contar com a participação e envolvimento de todos os militantes. Por isso, todos os interessados podem fazer a sua participação através do site da candidatura, em www.confiancanofuturo.net. As novidades e as notícias sobre a candidatura podem ainda ser acompanhadas na rede social Facebook.

Isabel Fernandes Moreira