João Torres lidera Federação Distrital do Porto da JS

1
204

Sem grande surpresa, o ex-coordenador da Concelhia da Maia da Juventude Socialista (JS), João Torres, foi eleito Presidente da Federação Distrital do Porto. Foi no passado fim-de-semana, durante a X Convenção Distrital da JS Porto, que decorreu na Biblioteca Municipal de Santo Tirso, sob o lema “Marca a Diferença”. Com esta eleição, torna-se o mais jovem presidente de uma estrutura federativa da JS.

A lista apresentada para a Comissão Política Distrital foi eleita com apenas um voto nulo, enquanto que a lista dos inerentes na Comissão Política Distrital do PS foi eleita com dois votos nulos e um branco. João Torres viu assim expressa nas votações a confiança dos militantes do distrito do Porto. Uma confiança que também foi sentindo durante as intervenções de apoio que marcaram a convenção.

Unânime foi também a aprovação da Moção Global de Estratégia “Confiança no Futuro”, subscrita pelo João Torres. Uma moção que defende de forma “intransigente” a regionalização, diz o candidato. Foi esta uma das bandeiras da candidatura. “É importante que seja dada uma direcção clara e um sentido à discussão da regionalização. E aquilo que me preocupa a mim e aos militantes da JS é que muitas vezes as pessoas se refiram à regionalização como solução para todos os problemas do país e em particular da região norte sem fazer uma reflexão clara sobre os aspectos mais positivos e os aspectos menos positivos da implementação de regiões administrativas”, justifica.

Afirmar o Distrito do Porto e a região Norte do país como “o centro nevrálgico do noroeste peninsular” é outra das ideias defendidas na moção. João Torres está convencido que “a melhor forma de o Porto se servir a si próprio, mais e melhor se desenvolver e de mais e melhor ajudar o desenvolvimento de Portugal é afirmando-se como a Capital intelectual, científica e cultural do Noroeste Peninsular”, sublinha.

A Concelhia da Maia da JS esteve representada pela coordenadora concelhia, Ana Leite e por Diogo Silva, Cláudio Carvalho, Diogo Branco e Rui Moreira, elementos da Comissão Política Concelhia da JS Maia. E numa tentativa de “marcar a diferença”, um grupo de militantes da JS da Maia apresentaram duas moções sectoriais ao congresso, que foram aprovadas por unanimidade. “A cultura como instrumento de educação, de criação de riqueza e de promoção de emprego” teve como primeira subscritora, Ana Leite, e segunda intitulada “Reforço da militância e da matriz histórico-ideológica da Juventude Socialista”, subscrita em primeiro lugar por Cláudio Carvalho.

A moção voltada para a cultura apresentou um conjunto de orientações que consideram necessárias para o desenvolvimento do sector. A nível distrital, defende uma política cultural que se adapte à realidade do distrito e que seja capaz de colocar o norte de Portugal no panorama cultural do país. “O distrito do Porto, pela sua importância no desenvolvimento nacional e pela sua história, tem obrigação de apresentar uma oferta cultural competitiva que atraia novos investimentos, que promova novos carreiras artísticas e incentive a criação de novos projectos, através da dinamização dos seus equipamentos culturais que vão desde os monumentos históricos, aos centros culturais, aos museus e às bibliotecas”, afirma a moção subscrita por Ana Leite.

Já a moção “Reforço da militância e da matriz histórico-ideológica da Juventude Socialista” defende uma aposta na formação dos quadros políticos da JS através do desenvolvimento de um plano formativo periódico, um incentivo prático à criação de clubes políticos, que são espaços de excelência de aquisição de conhecimento em regime de rede; a promoção de fóruns de discussão ocasionais que permitam discussões abertas à sociedade civil e com a própria sociedade civil, principalmente junto dos jovens do Distrito.

Isabel Fernandes Moreira

1 COMENTÁRIO

  1. […] “(…) A Concelhia da Maia da JS esteve representada pela coordenadora concelhia, Ana Leite e por…“ AKPC_IDS += "3852,"; Partilhar: […]

Comments are closed.