JP Maia propõe unidade móvel de rastreio de saúde mental

0
191
Fonte: Pixabay
- Publicidade -

Durante o 1º Conselho Municipal da Juventude do ano de 2021, no passado dia 24 de março, a Juventude Popular da Maia apresentou uma proposta sobre a possibilidade da criação de uma unidade móvel de rastreio de saúde mental. Esta medida pretende aproximar da população as zonas de rastreio já criadas permitindo de forma discreta, encaminhar para os serviços de saúde quem precisar de ajuda.

“O confinamento é apenas a ponta do iceberg do impacto que esta pandemia tem em potenciar problemas de foro psicológico aos jovens maiatos. Aliás, este problema afeta não só os jovens, mas transversalmente toda a população. A subida do desemprego e a crise que se avizinha em nada ajudarão esta problemática. É por isso que devemos preparar uma intervenção de apoio robusta e ambiciosa desde já” afirma Hugo Gonçalves, presidente da Juventude Popular.

“É de louvar todo o trabalho que já está a ser feito, mas devemos ter consciência que ainda existem muitos estigmas no que toca à saúde mental. Ninguém vê problemas em pedir ajuda quando se parte um braço ou sofremos um corte. Agora quando os problemas são a ansiedade ou a depressão, há ainda o receio de passar a imagem de fraco ou maluco. Não é verdade. São problemas tão reais e que necessitam de tanta ou mais ajuda como os anteriores. É necessário continuar a apostar nessa desmistificação, mas não podemos ficar à espera que esse trabalho a longo prazo dê frutos, deixando para trás os que sofrem agora”, defendem os jovens populares.

“Estando o problema identificado, a solução não é assim tão difícil de encontrar. Se as pessoas, seja por que motivos for, não vão procurar a ajuda que necessitam, tem de essa mesma ajuda procurar as pessoas”, explica Hugo Gonçalves, que acrescenta: “compete-nos enquanto voz jovem e ativa no concelho, tentar trazer algumas ideias diferentes, aplicando soluções do passado para problemas do presente e do futuro.”

Esta medida foi oficialmente apresentada dia 4 de abril e encontra-se atualmente em análise pelos órgãos competentes da Câmara Municipal da Maia.

- Publicidade -