JP reconhece “enorme derrota”

0
148

“Assumir uma postura vigilante e crítica” é a promessa da Juventude Popular (JP) da Maia, na sequência dos resultados das eleições autárquicas de domingo. Num comunicado emitido na terça-feira, a estrutura felicita os vencedores e não poupa elogios a todos os que se dedicaram ao CDS-PP neste processo, alertando que é preciso combater a “desmotivação” e”o baixar de braços”.

Mas os jovens populares estão conscientes da “enorme derrota” dos centristas no sufrágio do dia 11, referindo-se à “não eleição de qualquer vereador, somada à perda de um deputado municipal e à incapacidade para eleger deputados nas diversas freguesias”. Aliás, admitem, “um resultado que não honra a história do partido na Maia e que deve despertar em todos a necessidade urgente de uma reflexão profunda”.

A reflexão que faz a JP, no rescaldo destas eleições, aponta para o futuro e para a necessidade de contrariar a falta de confiança manifestada pelos eleitores maiatos. Como? “Tendo o CDS-PP da Maia uma clara obrigação de mostrar mais trabalho, apresentar mais ideias e assumir mais visibilidade, unindo todos os que nele escolheram estar e chamando mais gente para os acompanhar”, consideram os jovens militantes, que se dizem disponíveis “para assumir um lugar de destaque à direita na oposição ao recém-eleito executivo”.

A propósito do anúncio de David Tavares, que no decorrer da noite eleitoral anunciou a saída da concelhia da Maia do partido, a JP “agradece” pelo trabalho desenvolvido. E reconhece também a “dedicação” do candidato à Câmara Municipal da Maia, Álvaro Braga Júnior, à Maia e ao CDS-PP.

Marta Costa