Os candidatos fizeram a campanha, está na hora de votar

0
213
- Publicidade -

No próximo dia 1 de outubro, domingo, é hora de votar e exercer um direito cívico conquistado com o regime democrático.

Durante 15 dias, os candidatos realizaram a campanha eleitoral, organizando sessões de debate, entrevistas, arruadas e jantares, numa tentativa de apresentar os seus programas e conquistar a Câmara Municipal, Assembleia ou ainda as Juntas de Freguesia.

Assim, e de acordo com a ordem com que aparecerão no boletim de voto para a eleição da Câmara Municipal da Maia, vamos evidenciar as principais movimentações dos candidatos.

 

PAN estreia-se na candidatura à Câmara da Maia

Começando pela candidata do PAN- Pessoas e Animais, Clara Lemos, a campanha para as eleições autárquicas 2017 coincidiu com a estreia da candidatura do PAN à Câmara Municipal da Maia, pelo que, disse Clara Lemos, “sentimo-nos, desde já, satisfeitos por termos trazido, para o cenário político, temas que, de outra forma, nunca seriam discutidos. Estamos a falar dos Direitos dos Animais, e é interessante ver que o assunto já consta nas medidas dos programas eleitorais de quase todas as candidaturas, tendo sido este eixo colocado como prioritário.

Esperamos que estas boas intenções se traduzam, efetivamente, na dignificação e bem-estar dos nossos animais”.
Por outro lado, refere a candidata: “A nossa preocupação pela utilização de glifosato (Arbonal 45), nas vias e espaços públicos do nosso concelho, não se traduziu numa medida prioritária pelo executivo da Câmara Municipal da Maia. Este herbicida continua a ser pulverizado nas nossas ruas e espaços verdes, quando as evidências científicas apontam para uma relação do seu princípio ativo com doenças oncológicas. Constatámos numa ação de campanha ao Parque de Moutidos – Águas Santas que, no passado dia 23/09, foi administrado Arbonal 45 numa zona verde, junto à entrada do referido parque, lugar de fácil acesso a crianças e a animais”.

Clara Lemos visitou nesta campanha o rio Leça e os seus moinhos, património natural de excelência, “que gostaríamos de renaturalizar e oferecer aos maiatos como um espaço de lazer, de atividade física e de bem estar, um espaço para ecoturismo, projetos ambientais e pedagógicos”.

Também foi ao mercado de Castelo da Maia, abraçando “a defesa na sua revitalização, com a introdução de novas funções, mas sobretudo dando relevância à distribuição e ao consumo de produtos locais e regionais, de preferência sazonais e biológicos, promovendo a produção e a economia locais, diminuindo ao mesmo tempo a pegada ecológica”.

A campanha contou com a visita do deputado do PAN na assembleia legislativa, André Silva. Nessa ação, “realizada no centro da cidade, lançámos o desafio aos maiatos, questionando-os sobre o que gostariam de ver implementado no nosso concelho. Os temas mais fortes foram: habitação social, aumento de melhoria dos espaços verdes, transportes na periferia, requalificação do bairro do Sobreiro, não ao abate de animais no canil, apoio para os animais abandonados, zonas públicas dirigidas para idosos, preços mais baixos nos eventos culturais e recreativos, segurança sobre património, esterilização de animais, água e eletricidade mais acessíveis, requalificação da N14 na zona das pirâmides de modo a diminuir o ruído ambiental provocado pela circulação das viaturas”, afirmou a candidata do PAN.

Clara Lemos diz sentir em muitos m aiatos a descrença em relação à política e promete trabalhar para que haja uma “inversão e que os cidadãos e as cidadãs possam aproximar-se, de modo simples, às políticas locais”.

Independente Fontes Maia quer mais Turismo na Maia

O candidato independente pelo “mim” e coligação PPV/CCDC-PPM, Fontes Maia, tem efetuado alguns contactos diretos com a população. Foi difundindo, sem grande alarido, a sua mensagem sobre o que pretende para a Maia, defendendo o respeito pela terceira idade e a boa gestão dos recursos naturais.

Uma política de elevação das potencialidades empresariais e de condições de bem-estar para a população são alguns dos vetores que divulga junto do eleitorado. Sendo que neste âmbito das potencialidades o candidato faz questão de sublinhar o Turismo como uma janela aberta ainda não aproveitada devidamente no município.

 

António Costa veio dar alento na segunda semana de Francisco Vieira de Carvalho

 

A coligação Um Novo Começo (PS/JPP), encabeçada por Francisco Vieira de Carvalho, teve como ponto alto na sua primeira semana de campanha a apresentação do projeto do Parque Central da Maia “Uma nova Vida Para a Cidade”, e que promete “transformar por completo, no raio de um quilómetro, o coração da sede do concelho”.

“Este projeto não é um sonho, mas apenas corresponde ao que todas as cidades vão ter que fazer, no futuro, na sequência do Acordo de Paris, relativo às Alterações Climáticas, com a descarbonização. Ele visa proporcionar maior qualidade de vida e de sociedade às pessoas que aqui vivem, promover interação social, criar modos de vida e, também, contribuir para aquilo que nos falta, a identidade coletiva. A transformação desta zona vai beneficiar 20 mil maiatos”, explicou António Ramalho, Especialista em Planeamento e Projeto do Ambiente Urbano.

O mesmo técnico, que assumirá o cargo de responsável do Urbanismo e Planeamento no executivo, caso venha a ser presidido por Francisco Vieira de Carvalho, explicou que vão nascer espaços verdes contínuos desde o Santuário Mariano da Nossa Senhora do Bom Despacho até às Portas da Maia. “Todas as cidades europeias estão a adaptar-se aos efeitos das alterações climáticas, criando mais espaços verdes”, enfatizou António Ramalho, lembrando que vão nascer corredores de metro relvados, esplanadas ajardinadas, um viaduto ajardinado sobre a EN 14, um jardim vertical na Câmara e ainda um novo jardim na zona frontal do mesmo edifício.

Francisco Vieira de Carvalho anunciou, por seu turno, que este projeto de transformação da zona central da cidade, visando melhorar a qualidade de vida das pessoas, vai englobar ainda junto ao Jardim Zoológico um parque, no qual elas podem soltar em segurança o seu animal de estimação, sem risco de incomodar quem quer que seja.

O candidato de Um Novo Começo efetuou ainda várias visitas durante a semana a associações, escolas e centros de dia/lares do concelho, apresentando, na última quinta-feira, dia 21, as 60 medidas do seu programa autárquico, numa sessão no Auditório da Casa do Povo de Vermoim, que contou com a presença de Ana Catarina Mendes, secretária-geral adjunta do Partido Socialista.

Na segunda semana, o destaque da campanha foi o jantar-comício com António Costa, com projeção nas televisões devido à contestação de professores e enfermeiros que esperava o primeiro-ministro. António Costa foi encurralado por professores e enfermeiros à entrada e à saída do jantar-comício, realizado na quarta-feira passada.

No comício, o primeiro-ministro veio dizer que este governo trouxe aos portugueses “uma lufada de ar fresco”.
Costa referiu que o trabalho desenvolvido no Governo nos últimos dois anos respeita as pessoas, sublinhando que “passo a passo” o país tem vindo a “recuperar a esperança e a confiança”.

“Estamos a meio do caminho, quando a Maia inicia um novo caminho”, sublinhou o secretário-geral do PS, pedindo o “dois em um” no concelho: um novo autarca local na Maia e um reforço da “força da mudança” do PS iniciada há dois anos no país.

CDU em contactos com trabalhadores e maiatos em geral

A CDU visitou todas as freguesias, efetuando contactos com trabalhadores junto a empresas, indo a mercados e fazendo arruadas diversas.

Um dos destaques da abertura da campanha foi o encontro com a comunicação social junto à antiga estação de S. Gemil, em Águas Santas. Ana Virgínia e Alfredo Maia, candidata à Câmara da Maia e à Assembleia de Freguesia da Maia, respetivamente, deram destaque neste encontro à ausência de uma política de mobilidade por parte da Câmara Municipal e das potencialidades da reabilitação desta antiga estação ferroviária em S. Gemil. A estação está completamente entregue ao abandono, mas a linha encontra-se eletrificada e operacional, basta haver vontade política para a reabilitar.

Ana Virgínia aproveitou ser o Dia Europeu Sem Carros – 22 de setembro – para lembrar que aquela estação foi inaugurada em 2009 com pompa e circunstância, mas o funcionamento da chamada Linha de Leixões viria a durar “apenas cerca de um ano e meio”.

Os candidatos consideram-na “um eixo vital”. E acrescentam que “segundo dados da CP e da REFER, seria possível transportar, só na Linha Leixões/Valongo, cerca de 2,9 milhões de passageiros por ano, nos dois comboios por hora em cada sentido”.

Além de que, lembra Ana Virgínia, “com entroncamento estratégico na estação de S. Gemil e a recuperação desta linha e criação de novos apeadeiros servindo núcleos populacionais ao longo do percurso, a reativação do transporte de passageiros nesse ramal, e também no que liga a Campanhã/S. Bento, serviria importantes zonas habitacionais de Matosinhos, Maia, Valongo e mesmo Porto”.

Os candidatos da CDU insistem que é também “vital” o prolongamento da linha G do Metro do Porto – atualmente entre Santo Ovídeo (Gaia) e o Hospital de S. João – até à cidade da Maia, servindo, no concelho, as “populações de Pedrouços, Águas Santas, Milheirós, Gueifães e Vermoim”.

Ana Virgínia, que é também deputada pelo círculo do Porto, na Assembleia da República, recordou que continua pouco lembrado pela maioria no executivo camarário, a reivindicação do fim das portagens e a eliminação dos pórticos que cercam a Maia. Apesar de ter “posição mais musculada” quando o governo é de outra cor partidária, como é o caso, ainda assim não tem feito reivindicação suficiente nesta matéria, assim como na exigência por uma “verdadeira alternativa à EN14 ou ao prolongamento do Metro até à Trofa”, afirmou.

Conversas “olhos nos olhos” na sede de campanha de “Maia em Primeiro”

O candidato da coligação Maia em Primeiro (PSD/CDS), António Silva Tiago, tem vindo a realizar sessões de esclarecimento sob o lema “Participe + Conheça Primeiro”, dedicadas às diferentes freguesias, sendo acompanhado pelos candidatos às Juntas.

 

A conversa sobre Pedrouços, decorreu no Parque dos Amores, uma “obra resultado do empenho e do amor pelo concelho de António Silva Tiago”. Joaquim Araújo, atual presidente da Junta de Freguesia de Pedrouços e recandidato pela coligação PSD e CDS-PP, divide o seu manifesto eleitoral em Turismo, Infraestruturas, Cultura e Lazer, Habitação Social e Ação Social.

Na área do turismo, Joaquim Araújo começou por explicar que “está em crescimento e, por isso, propomos criar aqui todas as facilidades para investimento em hotéis. O hotel aqui ao lado, em S. Mamede, está sempre cheio e agora que vamos ter aqui o Pavilhão da Freguesia de Pedrouços, que vai chamar à freguesia muitos campeonatos desportivos”.

O candidato à Câmara, António Silva Tiago, propõe-se a “fazer um novo quartel dos bombeiros de Pedrouços”. “Já comprámos o terreno, estamos a fazer o projeto e vamos ajudar os bombeiros de Pedrouços a ter um novo quartel, na Travessa Nova da Giesta.”

O candidato referiu ainda que “a Câmara tem um projeto com a Metro do Porto para fazer até ao final deste ano o estudo de ligação do metro entre o Hospital de S. João e o Centro da Maia, passando aqui por Pedrouços”.

No encontro sobre a Cidade da Maia, o líder da coligação “Maia em Primeiro” abordou tudo aquilo que já foi feito no Bairro do Sobreiro, sublinhando que foi um “passivo que a Câmara herdou e que tem de ajudar a resolver”.

“Vamos reabilitar todos os Blocos e as quatro torres até ao final de 2019. Já demolimos 16 Blocos, já reabilitamos sete, estamos a reabilitar o oitavo e ainda vamos demolir o 17º Bloco, onde vamos contruir uma rotunda. Não fizemos mais porque é preciso dinheiro, não fizemos antes porque tínhamos focado a solução de fazer, não a reabilitação do Bairro, mas a sua revitalização. Em 2019 já teremos realizado os Jardins do Sobreiro”.

Outra sessão da candidatura Maia em Primeiro decorreu em Folgosa, no Jardim das Piscinas Municipais. António Silva Tiago começou por revelar o seu desejo de o Centro Escolar, investimento da Câmara Municipal da Maia, ser “bem aproveitado e bem rentabilizado”, acrescentando que “se para isso for necessário fazer algo em termos de transportes e acessos, vale a pena o esforço, uma vez que o Centro Escolar, como equipamento de ensino, é de excelente qualidade”.

O candidato à presidência da Câmara Municipal apresentou um conjunto de propostas para a freguesia, entre as quais “estudar uma ligação deste espaço desportivo ao Estádio de Futebol Municipal e da Freguesia; criar estacionamento; criar um circuito de manutenção de forma a ligar este espaço onde nos encontramos e o Estádio, com um foco especial no Lazer e no Desporto; melhorar a acessibilidade das duas rotundas da Estrada Nacional 105, quer para a Rua da Serra, quer para a Rua de Monforte, fazendo com que haja dois nós de ligação para melhorar a acessibilidade; requalificar os pavimentos e construir passeios”.

A sessão de António Silva Tiago em Milheirós, decorreu no Empreendimento Municipal de Habitação Social Monte Penedo.

O líder da coligação “Maia em Primeiro” aproveitou ainda para falar sobre o novo Centro de Excelência e de Bem-Estar Animal, projeto que deverá ser construído “no terreno que dispomos aqui no Monte Penedo, que a Câmara comprou há uns anos com cerca de dois hectares”. O Centro de Excelência e de Bem Estar animal é algo que ainda não existe em Portugal, onde vamos ter uma clínica, uma zona de treino e vai haver uma loja com artigos para animais.”

O último tema do debate foi a dívida da Câmara da Maia. António Silva Tiago garantiu que “a Câmara deve hoje um valor insignificante e a curto prazo não deverá nada”, explicando que “toda a fatura que entra na Câmara de um fornecedor é liquidada em 4 ou 5 dias.”

António Silva Tiago terminou a referir que a “Câmara Municipal da Maia deve 30 milhões de euros de médio/longo prazo. 30 milhões para a Câmara da Maia não é nada. E deve ao Banco. Dívidas de curto prazo, isto é, no dia a dia, não deve nada a ninguém”.

Campanha do MPT sem despesismos

No que respeita ao Arquiteto António Braz, candidato pelo MPT – Partido da Terra à Câmara da Maia, a campanha tem avançado com arruadas e contactos de campanha diretos com a população. A habitual carrinha de campanha engalanada de cartazes e bandeiras, espalhando a mensagem do MPT tem percorrido as ruas. “A nossa campanha avança rumo à vitória sem despesismos e custos para os contribuintes.

É a antevisão de uma gestão camarária equilibrada ao serviço da população com gente trabalhadora que arregaça as mangas”, refere o mandatário da candidatura do MPT, Carlos Magalhães.

No último fim de semana, António Braz, acompanhado pelo candidato do MPT a Castelo da Maia, Armindo Moutinho, centrou a campanha naquela vila em ambiente de festa. Arruadas na companhia das Concertinas de Mondim e concentração na Campa do Preto fizeram a festa e a campanha.

 

BE quer “Maia mais igual”

A Campanha do Bloco de Esquerda na Maia, com o lema “Maia mais igual”, foi centrada no tema da igualdade e coesão entre os maiatos e os vários pontos do concelho.

A falta de uma rede de transportes públicos que sirva todo o município, o orçamento pouco ambicioso, que “não dá resposta às necessidades sociais da população mais desfavorecida, a incapacidade de muitas famílias poderem pagar para deixar as suas crianças em creches e berçários, ou os seus ascendentes em lares e centros de dia do concelho, a falta de habitação social que não chega para responder a todos os pedidos”, a questão da reabilitação do Sobreiro e de outras urbanizações degradadas, e o ambiente limpo e respirável, foram as prioridades que a candidatura do BE identificou para o concelho da Maia.

A abertura da campanha do BE e do candidato Silvestre Pereira contou com honras nacionais, uma vez que teve a convidada Catarina Martins, dirigente do partido.

Para Catarina Martins, “o Bloco tem escolhido como candidatos as pessoas que melhor conhecem a sua terra e as necessidades das pessoas que lá vivem. Com a experiência política de três mandatos como deputado na Assembleia Municipal, Silvestre Pereira conhece muito bem o concelho e está preparado para ser eleito vereador na Câmara Municipal.”

O candidato à Câmara, Silvestre Pereira, e os cabeças de lista do BE no concelho foram bem recebidos pela população nas feiras e nas arruadas realizadas.

O candidato referiu que estiveram “junto da população na Feira de Pedrouços, onde a coordenadora nacional Catarina Martins teve oportunidade de ouvir muitos maiatos e maiatas em condições sociais precárias mas com esperança num futuro melhor e numa mudança para o concelho”. O BE também esteve na Feira de Pedras Rubras, na Feira do Castêlo, na Feira das Velharias, na Feira de Santana. “Realizamos arruadas em várias freguesias, onde demos a conhecer as nossas propostas do manifesto autárquico e das freguesias. Estivemos no Bairro do Sobreiro, denunciando o estado de muitas habitações e defendendo uma requalificação profunda do edificado. Em apenas um mês, reunimos com quase duas dezenas de associações e coletividades de âmbito desportivo, cultural, recreativo e social em quase todas as freguesias do concelho”, resumiu Silvestre Pereira.

De resto, o candidato bloquista está convicto de que “os maiatos estão cansados das maiorias e do poder absoluto do PSD/CDS na Maia e que querem mais democracia, mais transparência e mais investimento! Dar força ao Bloco nestas eleições autárquicas fará toda a diferença”.

O Bloco sustenta que defende um modelo de gestão alternativo ao preconizado pela direita na Maia, mais transparente, assente nos compromissos com a população, incentivando a sua participação nas decisões através de instrumentos como o Orçamento Participativo. “Esta é a política local que se pretende no século XXI, um corte com o passado de clientelismo, influências, ajustes diretos e compadrios. Respeito pelas pessoas!”, afirmou Silvestre Pereira.

O candidato à Câmara pelo BE aponta ainda a criação de emprego como prioridade do executivo, procurando-se “aplicar uma política de incentivo fiscal para a instalação de novas empresas que criem postos de trabalho e fomentando o emprego dos mais jovens”.

- Publicidade -