PS em comunicado: M. José Neves tomou «posição inqualificável» e Silva Tiago troca «obras por candidaturas»

0
808
imagens de Arquivo
- Publicidade -

Esta manhã, o PS Maia lançou um comunicado em que critica a decisão de Maria José Neves, presidente da Junta de Milheirós, de se recandidatar com o apoio da maioria PSD/CDS, no que considera uma «posição inqualificável». Farpas ainda para o presidente da Câmara da Maia a quem o PS acusa de « trocar obras por candidaturas».

Maria José Neves anuncia, em missiva enviada à população de Milheirós, que resolveu recandidatar-se com o apoio do PSD/CDS, deixando de lado a coligação da oposição (PS/JPP) pela qual foi eleita – como independente – há 4 anos.

O PS começa por considerar que se trata de uma «posição inqualificável que em nada dignifica quem a toma e que contribui para o descrédito da classe política da qual a presidente da Junta de Milheirós é parte integrante e que, por tal, deveria zelar pela sua integridade e respeito».

Considera ainda que a afirmação de Maria José Neves de que vai dar continuidade ao “trabalho iniciado” é «enganadora» para «iludir» a população e «desrespeitosa» para os elementos que integraram a sua lista em 2017, «sobretudo todos os membros do Partido Socialista que não se revêm nesta atitude». De resto, o PS divulga que a «secretária do Executivo da Junta de Freguesia» já apresentou «a demissão do cargo, em resposta a esta posição da Presidente da Junta».

No comunicado do PS Maia, a estrutura apoia e está solidária com a decisão da secção do PS Milheirós em «retirar a confiança à presidente da Junta de Freguesia», considerando «compreensível» e «a única possível».

No comunicado, o partido refuta as acusações de Maria José Neves de que o PS terá votado contra muitas das obras feitas em Milheirós: «Esta habilidade de forma, só é compreensível tendo em conta o desespero em que a presidente da Junta de Freguesia se encontra ao tomar esta posição, uma vez que todos os maiatos reconhecerão, e os milheiroenses também, que as posições dos eleitos na Assembleia Municipal são tomadas tendo em conta uma análise global das políticas municipais e não tendo em conta as questões locais de cada Freguesia».

O presidente da Câmara da Maia, Silva Tiago não escapa às críticas do PS Maia. Os socialistas entendem que o seu comportamento é «inqualificável, por contribuir igualmente para o descrédito da política ao pressionar Presidentes da Junta, chegando ao ponto de trocar obras por candidaturas pela sua força política».

Assim, prossegue o comunicado, «este comportamento é de todo reprovável e demonstrativo da falta de cultura democrática, da falta de ética e do desespero que o Presidente da Câmara e o PSD apresentam. Este episódio, reflete bem o porquê de termos hoje um território desigual, onde os maiatos não têm todos as mesmas oportunidades, porque o projeto do PSD há muito que deixou de ser um projeto de visão para um concelho e passou sim a ser um projeto retalhado, onde saem beneficiados os amigos».

Por tudo isto, o PS volta a sublinhar que se torna necessário «um novo projeto para a Maia», em que imperem valores como a «transparência» e «combate às desigualdades».

E o presidente do PS Maia remata este comunicado afirmando: «O Partido Socialista está preparado para oferecer aos maiatos a verdadeira alternativa que o concelho necessita».

- Publicidade -