PS/JPP acusa executivo PSD/PP de plagiar medidas sobre Mobilidade

0
270
STCP
- Publicidade -

No último dia 21, a candidatura de Francisco Vieira de Carvalho emitiu uma nota de imprensa em que acusa o executivo da Câmara da Maia de plagiar as medidas sobre Transportes e Mobilidade da coligação “Um novo começo” (PS/JPP).

Na nota de imprensa pode ler-se que «hoje, na Reunião Pública Ordinária da Câmara Municipal da Maia e pela primeira vez em 15 anos de gestão autárquica, o atual executivo PSD/PP propõem medidas para esta área, a um mês da data das eleições autárquicas e um mês e meio depois da apresentação do extenso programa para esta área apresentado pela Candidatura – Um Novo Começo. Maia 2017».


Assim, Francisco Vieira de Carvalho lembra que no final do debate sobre este tema, realizado a 7 de julho, foram apresentadas algumas medidas de que se destacam as seguintes: «Defender a construção da Linha de Metro entre o H.S. João, Pedrouços, Aguas Santas, Gueifães e o Centro da Maia; Lançar uma Nova Rede de Transportes que ligue todas as freguesias entre si e estas com o centro da cidade, criando sinergias com a Rede de Transportes Escolares, para que todas as escolas tenham transporte público; Criar uma Rede de Transportes na Hora, uma Rede de transportes a pedido, a implementar na Zona Industrial da Maia, ligando a estação de Metro às várias empresas; Grande aposta nas ligações entre o centro da Maia e as freguesias de S. Pedro Fins, Folgosa, Nogueira e Silva Escura, Milheirós e Castelo da Maia; Construção de 50 km de ciclovias na Maia e construção de um Parque de Referência Nacional para Modos Suaves: Maia Bike Park; Criar 4 interfaces de transporte para metro, autocarros e modos suaves; Defender a remoção dos pórticos na A41 entre Matosinhos e Alfena; Implementação de um sistema de informação ao público disponível em todas as paragens e abrigos, com dados em tempo planeado e em tempo real, sempre que possível, sobre as alternativas de mobilidade possíveis, obtendo essa informação através de uma aplicação para telemóveis, sites, entre outros, cobrindo assim toda a população».

A nota de imprensa dá também eco do descontentamento dos vereadores do PS com o «incumprimento pelo executivo do estatuto da oposição no que concerne ao direito de acesso à informação.

Assim, dos cerca de 20 requerimentos que os vereadores do PS entregaram ao longo do último ano, apenas mereceram resposta cerca de 10%, numa clara manifestação de autismo, arrogância e falta de cultura democrática».

- Publicidade -